Maria Sofia de Neuburgo – parte II

Quem o monarca viu quando foi recepcionado por sua nova consorte na câmara do navio? Vestida em rico tecido branco incrustado com diamantes, Maria Sofia era loira de pele alvíssima, correspondendo assim aos padrões de beleza da época. Não há motivos, então, para crer que o rei tenha desgostado de sua escolha marital enquanto ocorria a cerimônia formal de casamento na capela real, pouco tempo após o desembarque. e nem durante as riquíssimas festas em comemoração e a consumação rápida do casamento que se seguiu. Tímida e devota, Maria Sofia trazia consigo a promessa de produção rápida de herdeiros para a necessitada dinastia de Bragança – e de fato, os entregaria com sua disciplina característica. Em 30 de agosto de 1688, exatamente um ano após sua entrada em Lisboa, a rainha daria à luz o príncipe D. João. O novo herdeiro da Coroa portuguesa seria celebrado com festas que durariam três dias; entretanto, o príncipe era notoriamente debilitado desde seu nascimento. Sua morte, ocorrida apenas dezoito dias após o parto de Maria Sofia, foi creditada pelo conde de Povolide como tendo ocorrido devido à forma como as damas alemãs da rainha haviam cuidado dele.

Mariasofianeuburgo
Maria Sofia de Neuburgo

Provando sua fertilidade, em breve a rainha engravidaria novamente. Tendo-se em vista a morte precoce do última criança, contudo, tomaram-se precauções extras. Quando Maria Sofia entrou em trabalho de parto, nas primeiras horas da manhã do dia 22 de outubro de 1689, o duque de Cadaval enviou pedidos de prece a todos os conventos de Portugal pelo sucesso do nascimento. Além disso, quatro médicos atenderiam Maria Sofia durante o processo, e quando nasceu um menino poucas horas depois, foi lhe dado mel para prevenir certos males. As costumeiras salvas de artilharia foram vetadas no palácio real para não perturbar o recém-nascido, mas este novo príncipe D. João parecia ser mais robusto do que o falecido irmão mais velho. Quando ele foi batizado no novembro seguinte, sua meia-irmã D. Isabel já estava retida no paço do conde de Aveiras após adoecer com varíola. Sempre com saúde frágil, ela jamais se restabeleceria desta doença, falecendo logo no ano seguinte. A inquietação do casal régio com essa nova fragilidade na linha de sucessão portuguesa, porém, seria sanada em maio de 1691, quando nasceria o infante D. Francisco, nomeado com o tradicional título de duque de Beja. À essa altura, porém, já se iniciavam as tensões maritais entre D. Pedro II e Maria Sofia. O rei recaíra em suas costumeiras infidelidades.

Em contraste com a tranquilidade, e mesmo amor mútuo, que caracterizara o casamento com Maria Francisca de Saboia, a união de D. Pedro II com Maria Sofia de Neuburgo foi consideravelmente complicada, sendo bem mais fria e distante. Parte das dificuldades pode ser atribuída à personalidade da segunda rainha, considerada difícil para os padrões do século XVII. Em contraste com Maria Francisca, que costumava fechar os olhos às infidelidades do marido, Maria Sofia tinha tantos ciúmes do rei que o questionava frequentemente a respeito, causando-lhe aberto mau humor com a consorte. Em adição a isso, D. Pedro II censurava severamente certos hábitos de Maria Sofia, que gostava de jogar e de beber vinho, além de negar muitos de seus pedidos.

Em carta escrita a seu pai, Maria Sofia queixava-se abertamente da negligência de seu marido em Portugal e de seu fracasso em estreitar as relações diplomáticas entre seu reino e Neuburgo. Ao contrário do que seria de se esperar, D. Pedro II nunca mandou uma embaixada oficial, mesmo tendo diversas ocasiões para isso, o que indignava uma rainha bem consciente da nobre genealogia da Casa Wittelsbach. Em atitude oposta à que costumava ser dada às rainhas da Europa Central, D. Pedro II também não dava a Maria Sofia qualquer participação em seus negócios políticos, parecendo enxergá-la simplesmente como um meio para gerar filhos para a dinastia de Bragança. O comportamento do monarca mortificava ainda mais a rainha uma vez que ela tudo faria para agradar D. Pedro II, que em retorno só lhe daria profundos desgostos, incluindo diversos casos extraconjugais com damas de seu próprio séquito e mulheres do povo comum.

220px-John_V_of_Portugal_Pompeo_Batoni
D. João V de Portugal

Apesar das dificuldades do relacionamento pessoal do casal, porém, os filhos seriam gerados regularmente. Em março de 1695, nasceu D. Antônio, que viria a ser o irmão predileto do futuro D. João V, seguido logo no ano seguinte pela primeira filha de Maria Sofia, D. Teresa. A rainha teria mais dois filhos, D. Manuel e D. Francisca, antes de falecer devido a uma febre em quatro de agosto de 1699, apenas dois dias antes de seu aniversário de 33 anos. sendo sepultada no majestoso monastério de São Vicente com todas as honras apropriadas. Seu marido, D. Pedro II, morreria ainda viúvo em dezembro de 1706, provavelmente de uma doença do fígado. Nenhum dos dois, portanto, viveria para ver o casamento do herdeiro D. João com sua prima materna Maria Ana de Áustria, e a ascensão política de Portugal durante este rico reinado.

 

Para saber mais:

LOURENÇO, Maria Paula Marçal. D. Pedro II. Círculo de Leitores, 2007.

SILVA, Maria Beatriz Nizza de. D. João V. Círculo de Leitores, 2012.

 

 

Maria Francisca de Saboia – parte II

Talvez possamos explicar melhor a mudança de comportamento de Maria Francisca em relação a D. Afonso VI se forem considerados os atritos da rainha com Luís de Vasconcelos e Sousa, o conde de Castelo Melhor e o nobre mais influente perante o monarca, a ponto de existir uma facção que tramava sua queda do poder – liderada, aliás, pelo irmão de D. Afonso VI, o infante D. Pedro, duque de Beja. Em primeiro lugar, Maria Francisca viu suas esperanças de participar do Conselho de Estado frustradas pelo favorito, que não desejava que ela intervisse na governo.

Pouco depois, a consorte acabou por  se unir à conspiração francesa que desejava derrubar o conde para impedir que a paz com Espanha fosse efetuada, enfraquecendo esta e, assim, beneficiando os interesses de Luís XIV nos conflituosos Países Baixos. Paralelamente, é bastante possível que Maria Francisca fosse se cansando cada vez mais rápido de D. Afonso VI, seu comportamento bizarro e suas amantes; este parece ser um motivo racional para explicar como acabou se dando tão rapidamente a fusão do plano que queria tirar o conde de Castelo Melhor do poder e outro, mais novo em sua elaboração, que consistia em depor o obtuso rei.

afonso_vi_de_portugal
D. Afonso VI de Portugal

Contudo, podemos também considerar a importância crescente da atração que provavelmente se desenvolveu desde então entre D. Pedro, duque de Beja e irmão do rei, e a rainha Maria Francisca. Claro que temos em mente a lógica utilizada por Isabel Mendes Drumond Braga e pensamos que certamente houve um componente de interesse de ambos os lados no que em breve se constituiu em uma aliança marital – casando-se com o futuro regente ou possivelmente rei de Portugal, se a frágil saúde de D. Afonso VI falhasse, ela garantia sua posição e protegia-se contra o possível exílio junto ao monarca deposto, além de poder a vir ser uma regente incontestável para seu filho, como o fora sua sogra Luísa de Gusmão; pelo lado dele, tal matrimônio preservaria a importante aliança francesa.

Vemos aqui, então, que apesar de precisar de uma noiva nascida em França, o duque de Beja não necessariamente precisava contrair o que poderia ser visto como um escandaloso matrimônio com a antiga esposa de seu irmão mais velho. Desta forma, apenas podemos acreditar que uma forte paixão, mesmo que pouco duradoura em sua intensidade, atingiu aos dois em algum ponto de 1667. Paixão não consumada, arriscamos dizer; além do demasiado risco em pôr tudo a perder se um adultério da rainha fosse descoberto, não era o momento de arriscar que Maria Francisca concebesse uma criança de legitimidade duvidosa para suceder ao trono português. De fato, em outubro o embaixador inglês daria como certa a virgindade da rainha.

Pouco depois, em novembro, a acusação de tentativa de envenenamento feita ao conde de Castelo Melhor por parte de D. Pedro foi bem sucedida em afastá-lo do centro do cenário político, deixando D. Afonso VI vulnerável frente aos conspiradores. Finalmente, no dia 22, o infante e seus partidários se apresentaram frente ao rei e solicitaram que este lhes entregasse o governo. Como o monarca resistiu, foi preso. Após convocar as Cortes, reunidas em janeiro seguinte, D. Pedro foi jurado regente de um irmão ao qual ainda jurava lealdade. Ainda antes, porém, Maria Francisca refugiou-se no Convento de Nossa Senhora da Esperança e pediu a anulação de seu casamento com D. Afonso VI com base na não consumação da união. O julgamento a respeito, ocorrido com rapidez pouco habitual, foi meticulosamente registrado em um dos documentos mais extraordinários do período: o Causa de nulidade de matrimónio entre a rainha D. Maria Francisca Isabel de Saboya e o Rei D. Afonso VI, manuscrito hoje localizado na Torre do Tombo.

Capa da “Causa da nulidade do casamento de D. Afonso VI e Maria Francisca de Sabóia”.1667 1668
Capa do registro do processo de anulação do matrimônio de Maria Francisca e D. Afonso VI

Luísa de Gusmão – parte III

Embora seja improvável que Luísa de Gusmão tenha realmente pronunciado a sentença pela qual é mais conhecida para incentivar seu marido a aceitar a Coroa antes rainha por um dia do que duquesa por uma vida” -, Felipe IV certamente a tomou rapidamente como a consorte rebelada de um rei traidor, assim como seu valido Olivares. Furioso com a rebelião, este inclusive ordenaria ao irmão de Luísa, o duque de Medina Sidônia, que destruísse todos os registros dela dos livros da Casa, de maneira que não restasse nem rastro de sua memória. Da mesma forma, o pagamento do dote da duquesa de Bragança, ainda incompleto, deveria ser suspenso.

245px-count-duke_of_olivares
Conde-duque de Olivares

Apesar de toda a cólera e troca incessante de responsabilidades pela revolta portuguesa que dominaria a corte Habsburgo nas semanas seguintes, a sobrevivência da nova dinastia era considerada improvável. O golpe que depusera a duquesa de Mântua, libertada por D. João IV em pouco tempo, era visto como a obra de poucos homens; logo, teria apoio insuficiente para aguentar por muito tempo. De fato, as várias deserções ocorridas nos primeiros meses deram suporte a tal ideia, assim como uma tentativa de assassinato sofrida pelo rei em agosto de 1641. Apesar disso, Espanha não pôde de fato capitalizar na fragilidade do inimigo e responder adequadamente, devido ao fato de suas forças militares, além de estarem divididas pela Europa, enfrentarem uma revolta particularmente engajada em Catalunha. Apenas nos primeiros meses de 1643 tropas Habsburgo seriam capazes de invadir Portugal, entrando no território pela região do Alentejo.

A situação enfrentada pela nova dinastia de Bragança, contudo, era menos frágil do que o visto pelo depreciativo julgamento do governo Habsburgo. D. João IV partiria para liderar seus exércitos contra os invasores e, assim, incentivar seus vassalos a acompanhá-lo, deixando a regência nas mãos de sua austera e religiosa esposa, grávida na época; em 21 de agosto ela daria à luz ao infante D. Afonso. O rei não estava presente ao parto, embora tenha visitado secretamente sua esposa e o bebê poucos dias depois. Seria aproximadamente neste período que uma amante desconhecida de D. João engravidaria, dando à luz uma menina em fins de abril do ano seguinte, que foi chamada de Maria. Apenas um mês depois deste nascimento, ocorreria a batalha de Montijo em Espanha, que teve um resultado indefinido ou, segundo Fernando Dores Costa, mesmo uma derrota portuguesa, mas foi tão massivamente louvada pela dinastia de Bragança que, até hoje, é considerada por alguns uma grande vitória de D. João IV. Embora tenha tido grande ressonância nas cortes europeias, porém, suas consequências militares foram quase nulas.

220px-infante_d-_afonso_vi_retrato
O infante D. Afonso retratado em 1653

Dali por diante, a guerra caracterizou-se por eventuais escaramuças entre as tropas espanholas e portuguesas, causadas por ofensivas do último, até que, em 1647, D. João IV optou por uma mudança militar em relação a uma atitude meramente defensiva, o que descontentaria muitos, incluindo o bélico príncipe D. Teodósio, que seria eventualmente nomeado capitão-general do reino. Enfraquecida, Espanha também optaria por uma diminuição em suas atividades contra o reino vizinho. 1647 também marcaria uma grave doença do infante D. Afonso – possivelmente meningoencefalite – que o deixaria com o lado esquerdo de seu corpo paralisado, além de dificuldades na fala. Talvez foi temendo pela morte daquele que era o herdeiro alternativo ao trono que o casal real apressou-se em gerar outro filho; já em 26 de abril do ano seguinte nasceria o caçula de D. Luísa, o infante D. Pedro.

Depois de seu último parto, a rainha viveria anos tranquilos no Paço da Ribeira até 1653, que parece ter sido um dos piores anos de sua vida, assim como de seu marido. Em maio, morreu de tuberculose o talentoso príncipe D. Teodósio, numa perda lamentada por muitos no reino, uma vez que deixava como herdeiro do trono seu irmão D. Afonso, tido como incapaz devido às sequelas da doença de 1647; em novembro, faleceria a infanta D. Joana. Em novembro de 1656, por problemas nos rins, morreria o rei D. João IV. D. Luísa se tornaria, então, não apenas uma viúva, mas também a regente do reino até a maioridade de seu filho.

A estrela de Velásquez: Margarida Teresa de Habsburgo

Nascida em 12 de julho de 1651, a infanta Margarida Teresa foi a primogênita do casamento do rei Felipe IV de Espanha com Mariana de Áustria, que também era sua sobrinha. Margarida tinha uma meio-irmã mais velha, Maria Teresa, filha da falecida rainha Isabel de França, que seria a herdeira presuntiva do trono espanhol enquanto seu pai não tivesse um novo filho homem com a segunda esposa (1). Neste sentido, pode-se entender o motivo das negociações para casar Maria Teresa com o rei francês, Luís XIV, só engrenarem de verdade após o nascimento de um príncipe em 1657. Apesar disso, os direitos sucessórios da infanta foram oficialmente retirados, embora a validade de tal renúncia dependesse de um dote que jamais foi integralmente pago aos franceses. Assim, a união das coroas de Espanha e França era uma possibilidade real quando Felipe IV faleceu em setembro de 1665; de seus três meninos sobreviventes com Mariana de Áustria – Felipe, Fernando e Carlos -, apenas o último ainda vivia na época, e era uma criança bastante doente que só conseguiria andar aos oito anos de idade.

Neste cenário de crise, é fácil compreender o motivo pelo qual o matrimônio da segunda infanta foi cuidadosamente pensado desde muito cedo. Como forma de garantir uma alternativa genuinamente Habsburgo contra os possíveis pretendentes Bourbon ao trono de Espanha, Margarida Teresa ficou comprometida com o Sacro Imperador Romano, Leopoldo I, que era ao mesmo tempo seu tio materno e primo paterno, além de onze anos mais velho, o que impossibilitava qualquer consumação física enquanto as devidas dispensas papais não fossem providenciadas e a noiva fosse madura. Enquanto o primeiro ponto era relativamente fácil de ser arranjado, nada menos do que tempo poderia resolver o segundo; para acompanhar o crescimento de Margarida, a corte austríaca dependeria de constantes retratos enviados pelos espanhóis, executados pelo pintor Diego Velásquez.

Hoje considerado uma dos principais representantes artísticos da chamada Era Dourada Espanhola, Diego Rodríguez de Silva y Velásquez nascera em Andaluzia em 1599 e ainda jovem se destacara entre seus pares, tornando-se rapidamente um favorito de Felipe IV e o principal responsável pelos retratos de sua família. Quando Margarida nasceu em 1651, ele já estava mais do que consagrado na corte espanhola, e foi nesta posição que ele pintou o que é considerada sua maior obra: Las Meninas (2). Terminada em 1656, a pintura traz em seu centro a infanta Margarida – a esta altura com quatro ou cinco anos de idade -, cercada por suas damas de companhia. Também se encontram no primeiro plano da cena dois anões ricamente vestidos. Ao fundo, do lado direito, aparece uma mulher vestida como freira – possivelmente a governanta da infanta – acompanhada por um homem da corte. Ainda mais ao fundo, outro cavalheiro observa a cena. Não é evidente se ele está entrando ou saindo do aposento.

Las_Meninas_01
Las Meninas

O diferencial do quadro, porém, está do lado esquerdo, onde aparece o próprio Velásquez, que fita o espectador enquanto parece retratar alguém; refletido num espelho ao seu lado, está o casal real, que seria então o assunto da obra em questão. Apesar disso, o ângulo da representação parece algo estranho, o que alimenta a controvérsia que a representada seria mesmo a infanta. Neste caso, qual seria o significado da presença de Felipe IV e Mariana de Áustria na pintura? As incessantes análises da obra mostram que esta e outras questões sobre Las Meninas ainda podem ser discutidas por muito tempo.

Velásquez ainda retrataria a infanta em outras ocasiões, como nas obras Margarida Teresa em Vestido Azul (1659) e Margarida Teresa em Vestido Rosa (1660), este terminado no mesmo ano da morte do pintor. Após poucos anos, Felipe IV também faleceria. Meses depois, ainda enlutada, Margarida viajaria para finalmente casar-se com o tio; as extravagantes comemorações posteriores durariam nada menos do que dois anos. De constituição frágil e aparência pouco atrativa, Leopoldo I era profundamente religioso e bastante culto, sendo fluente em várias línguas e interessado nas artes, principalmente música. Estes eram interesses que ele compartilhava com a jovem esposa, com quem manteve uma relação próxima e um casamento surpreendentemente feliz. Em pouco tempo, Margarida daria à luz seu primeiro filho, que não viveria muito. No mínimo mais três gestações se seguiriam, mas apenas uma filha – Maria Antônia – sobreviveria.

Diego_Velázquez_027
Margarida Teresa em Vestido Azul

Apesar de sua graciosidade, representada tantas vezes por Velásquez, Margarida também tinha uma saúde frágil, uma infeliz herança de décadas de casamentos consanguíneos entre os Habsburgo. A série de gestações pela qual passou, possivelmente enquanto seu corpo ainda não estava maduro por completo para a maternidade, apenas piorou seu estado. De forma previsível, sua morte ocorreria pouco depois de um aborto ou parto prematuro em 12 de março de 1673. Faltavam poucos meses para que ela completasse 22 anos de idade. Arrasado, mas ainda sem um herdeiro, seu marido se casaria de novo alguns meses depois, mas este segundo matrimônio também não produziria meninos. Seria apenas nas terceiras núpcias de Leopoldo I que ele seria pai dos futuros imperadores José I e Carlos VI, este último pai da ilustre imperatriz Maria Teresa. Sua única filha com Margarida, contudo, teria uma vida breve e infeliz. Herdeira da pretensão de sua mãe ao trono de Espanha, Maria Antônia morreria ainda antes do doente tio Carlos II, cujo falecimento em 1700 seria o gatilho para a Guerra de Sucessão Espanhola.

(1) O único filho homem sobrevivente de Isabel de França com o rei fora Baltasar Carlos, que morrera alguns anos depois de sua mãe.

(2) Expressão de origem portuguesa que designa as acompanhantes reais.

Para saber mais:

http://viola.bz/short-life-of-princess-infanta-margarita/

http://www.habsburger.net/en/persons/habsburg/margarita-teresa-spain?language=en

http://www.sabercultural.com/template/obrasCelebres/AsMeninas.html

http://estoriasdahistoria12.blogspot.com.br/2013/06/as-meninas-de-diego-velasquez-analise.html

Catarina de Áustria – parte VII

Depois disso, a rainha permaneceria como regente por mais dois anos, até que em fins de 1563 ocorreu sua súbita e controversa renúncia após a vitória portuguesa sobre os mouros no cerco da praça de Mazagão. Num movimento bastante incompreensível diante da possibilidade de capitalizar para si o triunfo conquistado, D. Catarina convocou os Três Estados para anunciar sua decisão em ceder o poder para o cunhado. Todos foram tomados pela surpresa, incluindo D. Henrique. Afinal, apesar dela ter sido de fato criticada por sua demora em socorrer os portugueses durante o cerco, a regente ainda contava com apoio de vários e fiéis partidários. A decisão, contudo, era definitiva, e seria mesmo D. Henrique o novo regente, apesar do nome de D. Maria, duquesa de Viseu, ter circulado entre alguns círculos. D. Catarina ainda manteria a curadoria e a tutoria.

margot
Isabelle Adjani interpretando Margarida de Valois no filme A Rainha Margot (1994)

A partir daí, o poder da rainha viúva se manteria basicamente em procurar continuar influente perante o jovem neto e ajudá-lo em negociações matrimoniais. Principalmente no segundo caso, ela foi com frequência desafiada por D. Henrique. Durante a regência do último, encerrada em 1568, negociações com a França haviam começado para casar o rei português com a princesa Margarida, que era apenas um ano mais velha do que ele. Com o avanço do movimento protestante em França, porém, D. Sebastião mostrava-se reticente; a reputação dissoluta de Margarida também não auxiliou. No final, as conversas permaneceram indefinidas, e, como meio de tentar conter os confrontos religiosos franceses, ela foi casada com Henrique de Navarra em 1572.

Neste contexto de naufrágio do projeto matrimonial francês, D. Catarina insistiria ainda mais na ideia de união entre D. Sebastião e a primogênita de Felipe II de Espanha, a infanta Isabel. Estas núpcias também eram, aliás, muitíssimo do agrado de D. Sebastião. Interpretando hoje a proposta sem levar em conta alguns eventos que não poderiam de fato ser previstos na época, o casamento não era realmente uma má ideia. Embora um casamento francês pudesse colaborar para tornar Portugal mais independente do ponto de vista político, manter o padrão matrimonial com Espanha talvez fosse, além de mais prático, conveniente; até aquele momento, afinal, a infanta Isabel era a herdeira da Coroa espanhola. Mesmo se o rei Felipe conseguisse produzir um herdeiro homem em seu quarto casamento, contudo, a menina ainda seria a filha mais velha do prestigioso monarca e sobrinha do Sacro Imperador Romano Maximiliano II. Em muitos sentidos, se tratavam de núpcias bastante vantajosas para os padrões do século XVI, embora a prospectiva noiva ainda fosse apenas uma criança.

IsabelClaraEugenia
A infanta Isabel aos 13 anos de idade

De qualquer forma, mesmo se a misteriosa doença de D. Sebastião não fosse já um fator de complicação para negociações matrimoniais, as intenções do próprio rei se dirigiam cada vez mais para a guerra contra os infiéis em África. Até mesmo o pedido da mão da infanta Isabel a Felipe II inscreve-se no sentido de obtenção de ajuda militar para a guerra santa. Catarina se opunha ao projeto do neto de liderar pessoalmente esta empresa militar, mas D. Sebastião não dava ouvidos aos conselhos da avó, de quem se afastava cada vez mais. E foi aflita, cada vez mais doente e com dores. que ela recebeu a confirmação da intenção de seu neto de ir guerrear em África em 5 de fevereiro de 1578.

Em 10 de fevereiro, a rainha viúva passou várias horas em estado comatoso e recebeu a extrema unção. Sabendo do estado da avó, o rei foi ao paço dela, e lá já se encontrava quando D. Catarina recobrou a consciência. Reconhecendo-o, ela lhe deu sua benção. Antes de perder a fala, a rainha viúva teria mais uma vez implorado ao neto que não fosse à guerra. A morte, contudo, só viria no dia 12. Sem pompa, ela seria enterrada junto ao marido no mosteiro de Jerônimos. Depois de manter-se recluso por alguns dias em luto rigoroso, D. Sebastião voltou aos preparativos de sua empresa militar, que ocorreria finalmente alguns meses mais tarde. Com sua morte pouco menos de um mês depois de completar 71 anos de idade, Catarina de Áustria não viu a tão planejada união de todas as Coroas ibéricas por sua família, mas também foi poupada de testemunhar a extinção de sua linha e da Casa de Avis poucos meses depois.

Para saber mais:

Sobre a Revolta das Comunidades de Castela: http://www.tordesillas.net/webs/inicio.php?lang=por&id=105&cont=1

BRAGA, Paulo Drumond. D. João III. Lisboa: Hugin, 2002.

BUESCU, Ana Isabel. Catarina de Áustria, Infanta de Tordesilhas, Rainha de Portugal. Lisboa: A Esfera dos Livros, 2007.

PITTA, Larissa de Andrade. D. Catarina de Habsburgo e a política de casamentos dinásticos entre Portugal e Espanha (1540-1554). Monografia (bacharelado em História) – Instituto de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2014.

Catarina de Áustria – parte IV

Após ser conduzida pelo duque de Medina Sidônia e pelo bispo de Siguenza, entre outros nobres da aristocracia castelhana, Catarina foi recebida na vila portuguesa de Elvas pelos infantes D. Luís e D. Fernando, seus cunhados, além do duque de Bragança. Encontrando-se com a nova rainha em meados de fevereiro de 1525, os três beijaram de imediato a mão dela em sinal de respeito, conforme ordenara o irmão em suas instruções detalhadas. Mas quem eles e os populares que saudavam com alegria a consorte viram exatamente sobre o cavalo? A imagem mais famosa de Catarina, onde ela aparece já depois de anos de trágicas experiências, não nos devem enganar para as possibilidades – na juventude, a rainha provavelmente era bela. De cabelos claros e graciosa, era dito inclusive que ela se parecia com o falecido pai Felipe, duque de Borgonha, cognominado O Belo. Considerando-se que sua mãe Joana fora a mais bonita das filhas da Isabel I de Castela, é pelo menos aceitável presumir que a beleza de Catarina pudesse rivalizar com a de sua irmã mais velha Leonor; por outro lado, o silêncio dos cronistas do período sobre a aparência da irmã caçula do imperador pode indicar que, em realidade, ela não se destacava neste quesito.

De qualquer forma, o primeiro encontro oficial do casal – já que não é improvável que o rei tivesse se disfarçado entre os demais nobres para testemunhar a entrega da esposa em Elvas, como faria seu sobrinho Felipe anos depois – pareceu já peculiarmente íntimo, com ambos se abraçando antes de D. João III conduzir Catarina pela mão até o estrado. Nada indica, contudo, uma atração física imediata, como aconteceria logo no ano seguinte no primeiro encontro entre Carlos V e D. Isabel. No dia seguinte, uma segunda cerimônia de casamento entre ambos ocorreu na igreja de São Francisco, mas outro dia se passaria antes que, nas palavras do cronista Gaspar Correia, o rei “houve dela a primeira noite”.

Com a consumação do matrimônio, Catarina de Áustria assumia sua mais importante função como rainha: gerar e parir crianças, preferencialmente meninos, que pudessem no futuro continuar a dinastia de Avis. Como filha da fértil rainha Joana e sobrinha da impressionante Maria de Aragão, as possibilidades de Catarina pareciam realmente ótimas numa época em que se acreditava que a mulher era a principal responsável pelo sucesso, ou fracasso, das gestações. Em pouco tempo, a promessa de fertilidade foi cumprida. A rainha daria à luz seu primeiro filho, o príncipe D. Afonso, em 24 de fevereiro de 1526, pouco mais de um ano após o casamento; o bebê, contudo, era pouco saudável, e morreria em junho. Apesar de toda a tristeza, isso não era realmente nada incomum numa era de alta mortalidade infantil; o importante era que a mulher fosse fértil. Logo no ano seguinte, Catarina provou mais uma vez que o era ao ficar grávida novamente.

mariamanuelacarlosreyemperador
A infanta D. Maria na série Carlos, Rey Emperador, interpretada por Itxaso Arana

De acordo com o espírito do início da época moderna em Portugal, esperava-se um novo menino para o casal real, mas quem nasceu em 15 de outubro de 1527 foi uma saudável menina, D. Maria. De qualquer maneira, ocorreriam grandes festas comemorando o evento, embora um varão possivelmente já fosse aguardado com alguma ansiedade. Em 29 de abril de 1529, a rainha teve outra menina, D. Isabel. Ela, contudo, não partilhava da mesma boa saúde de sua irmã mais velha, falecendo em 23 de julho pelo mesmo “postema da cabeça que lhe veo a furo” que vitimara seu irmão. Em 31 de março ou 7 de abril do ano seguinte, viria prematuramente à luz mais uma menina, D. Beatriz. Também de pouca saúde, ela faleceria no primeiro dia de agosto de 1531, vítima de repetidas convulsões. Poucos meses depois, em 1 de novembro, depois de um parto difícil, nasceria o tão esperado menino. A chegada de D. Manuel foi amplamente comemorada, inclusive por seu poderoso tio materno, que deu uma grande festa em Bruxelas em honra ao novo príncipe. Em 25 de maio de 1533, nasceria outro menino, o infante D. Felipe, seguido em 16 de abril de 1535 por mais um varão, D. Dinis. A sucessão portuguesa pareceu assegurada por felizes meses.

Em 1537, contudo, a tragédia novamente atacaria D. João III e D. Catarina: logo em 1 de janeiro, morreria D. Dinis, e em 14 de abril, faleceria o herdeiro do trono D. Manuel, ambos provavelmente vitimados por convulsões, assim como a falecida infanta D. Beatriz. Os monarcas ainda tinham, porém, D. Felipe e D. Maria, e a rainha estava grávida de mais uma criança; vindo à luz em 3 de junho, o menino foi chamado de João. Em 1539, pouco depois de ter nascido o infante D. Antônio em 9 de março, morreria D. Felipe. E, em 20 de janeiro de 1540, falecia o próprio D. Antônio. Das 9 crianças que tivera, Catarina agora só tinha 2 vivas junto a si.

220px-Joao_manuel_principe_portugal
O príncipe D. João

Apesar do profundo impacto e tristeza inimaginável pela perda de tantas crianças, a rainha ainda tinha funções reprodutivas a cumprir para os padrões da aristocracia europeia; afinal, com apenas 33 anos, Catarina ainda poderia gerar mais alguns infantes e, assim, garantir que Portugal teria um herdeiro mesmo se o frágil príncipe D. João viesse a falecer, como tantos esperavam. Mas não haveria mais crianças do casamento entre D. João III e Catarina de Áustria. Em uma recente biografia da rainha, é especulado que ela pode ter tido uma obstrução tubária após o nascimento do último filho, motivo pelo qual seus esforços para engravidar novamente não tiveram sucesso. No início da década de 1540, ficou claro que a sucessão de Portugal equilibrava-se entre um príncipe frágil e uma robusta infanta. Neste contexto, o futuro matrimônio de D. Maria passou a ser um assunto de grande interesse.

Catarina de Áustria – parte I

Filha póstuma de Joana de Castela e Felipe, duque de Borgonha, a infanta Catarina nasceu em 14 de janeiro de 1507. Esta última gestação da rainha foi, de fato, dramática: depois de uma estadia algo forçada em Inglaterra, onde o bebê foi concebido, uma fragilizada Joana foi para Castela, apenas para testemunhar a virtual guerra entre seu marido Felipe e seu pai Fernando para controlá-la e, assim, exercer a dignidade real numa Castela dominada pela peste e pela fome. Inesperadamente, em 25 de setembro de 1506, Felipe faleceu, provavelmente de febre tifoide, embora a possibilidade de envenenamento não possa ser eliminada.  Em estado de choque, sua viúva ia com frequência à sepultura beijar os pés do cadáver, o que apenas realçava ao público seu desequilíbrio psicológico, causado provavelmente ou por depressão crônica ou por esquizofrenia. Finalmente, em dezembro, Joana ordenou que se retirasse o caixão do mosteiro onde se encontrava e levou-o consigo em sua comitiva até Granada, onde pretendia enterrar seu marido junto à sua mãe, Isabel I de Castela. Estando com a gravidez muita avançada, contudo, a rainha teve que se deter na humilde casa de um clérigo em Torquemada. Lá, ela deu à luz uma menina saudável, batizada em homenagem à sua irmã mais nova, a princesa viúva de Gales.

JoanaeFelipe
Joana e Felipe em seu conflituoso matrimônio, conforme representado na série Isabel (2011-14)

Por meses, a rainha permaneceu em Torquemada com sua filha recém-nascida e outro filho, o infante D. Fernando, enquanto a peste e a fome se espalhavam cada vez mais. Os boatos diziam que ela fora convencida que seu marido ressuscitaria em breve, mas em abril ela finalmente continuou seu caminho até Granada. Em agosto, o próprio rei Fernando foi encontrar-se com sua filha, revendo-a na província de Burgos em 29 de agosto de 1507, para emoção de ambos. Passariam semanas juntos, participando inclusive das cerimônias religiosas pelo primeiro ano de morte de Felipe. Em breve, contudo, a percepção da instabilidade de sua filha, juntamente com a ameaça da vinda do imperador Maximiliano para Castela, a fim de servir como regente do primogênito de Joana, Carlos, precipitou a decisão de Fernando em transferir a corte da filha para Tordesilhas. Joana, entretanto, resistia a qualquer mudança e ainda encontrava-se em Arcos quando 1507 se tornou 1508, com o corpo de Felipe ainda insepulto. Em julho, Fernando II de Aragão, em tese regente de Castela pelos termos do testamento de sua esposa, ordenou que seu neto homônimo fosse retirado da mãe e levado até ele. A rainha resistiu inicialmente, mas acabou cedendo, para seu grande abatimento. Seria apenas em fevereiro de 1509, porém, que a rainha Joana e a pequena Catarina, acompanhadas pelo rei Fernando, se dirigiram até Tordesilhas.

fernandodearagão
Fernando II de Aragão

A multidão que os recepcionou e observou uma mulher bela, mas enfraquecida, entrar na bem murada vila régia de Tordesilhas, residência de monarcas de Castela banhada pelo rio Douro, dificilmente poderia prever que seria ali que a rainha passaria a esmagadora parte dos próximos 46 anos como prisioneira (1), enquanto seu pai e seu filho usurpavam seu poder ao aproveitar-se de sua fragilidade psicológica. Durante os primeiros 16 anos, sua caçula seria uma companheira constante. Apegada à filha até o ponto da obsessão após a partida de seu filho Fernando, a rainha ordenou que a menina dormisse num quarto adjacente aos seus próprios aposentos, localizados num canto isolado do palácio. Além disso, Joana exigia que todas as janelas ficassem permanentemente fechadas. Foi, então, no silêncio e no escuro que a pequena Catarina se desenvolveu.

(1) Com exceção do período entre 1533-34, quando a rainha teve que ser retirada de Tordesilhas pela ameaça crescente da peste.

D. Fernando, o Infante Santo

Nona criança (quinto filho sobrevivente) do casamento entre D. João I de Portugal e a dama inglesa Philippa de Lancaster, o infante D. Fernando nasceu em 29 de setembro de 1402. Na época de sua concepção, a rainha já estava com quase 42 anos de idade; era, de fato, uma gestação tardia para os padrões da época, que inspiraria maiores cuidados em circunstâncias normais. Mas esta gravidez de Philippa, contudo, já começou difícil, com sintomas que incluíam fraqueza e febre. Para preservar a vida da consorte real, os médicos recomendaram que a gestação fosse interrompida, e o próprio rei teria se oferecido para dar à Philippa a bebida abortiva. A religiosa rainha, porém, recusou-se a beber, manifestando sua fé na sabedoria de Deus, após o que D. João I atirou o líquido ao chão. Meses depois, viria à luz o último rebento do casal.

200px-Anoniem_-_Koning_Johan_I_van_Portugal_(1450-1500)_-_Lissabon_Museu_Nacional_de_Arte_Antiga_19-10-2010_16-12-61
D. João I de Portugal

De saúde frágil desde a infância, o infante foi criado em grande parte junto à mãe, de quem se tornaria bastante próximo. Apesar disso, ele ainda recebeu a mesma educação cuidadosa dos demais irmãos, sendo instruído em diversas línguas e em técnicas militares, além de participar dos conselhos de Estado de seu pai. Quando ele tinha doze anos de idade, sua amada mãe Philippa faleceu subitamente, vítima da peste. Pouco depois, o pai e os irmãos enlutados partiriam para a conquista de Ceuta, da qual D. Fernando era jovem demais para participar. Ao invés disso, ele ficou no reino aos cuidados da irmã D. Isabel, futura duquesa de Borgonha, juntamente com outro irmão, D. João, que ainda não tinha quinze anos.

Sendo o último da larga descendência de D. João I e Philippa, era natural que D. Fernando fosse encaminhado eventualmente para a carreira clerical, até mesmo considerando-se que os rendimentos cedidos a ele por seu pai eram escassos para um infante. Realmente, depois que D. João I faleceu em 1434 e foi sucedido por D. Duarte, este apontou o irmão caçula como o novo administrador da Ordem de Avis. Tudo parecia caminhar na direção de uma carreira eclesiástica para o caridoso infante até que ele recusou o posto de cardeal oferecido pelo papa Eugênio IV. Em realidade, conforme D. Fernando explicou para D. Duarte, ele gostaria de viajar e fazer fortuna a serviço de um rei estrangeiro – provavelmente, como sugere a Chronica escrita por Ruy de Pina, a intenção do infante era servir ao seu tio materno, Henrique IV de Inglaterra.

Ferdinand_the_Saint_(St._Vincent_Panels)
D. Fernando

Seu real irmão, contudo, tinha outros planos imediatos. Herdeiro dos anseios guerreiros de seu pai, D. Duarte pretendia combater os infiéis em África; para a realização dos planos, contava com grande incentivo do irmão D. Henrique, embora os outros irmãos recomendassem cautela. D. Fernando se uniu à expedição com cavaleiros da Ordem de Avis, que pretendiam lutar sob um estandarte contendo a imagem do santo do dia de nascimento do infante, São Miguel. Eles partiram em agosto de 1437, chegando para sitiar Tânger no mesmo mês. A cidade, entretanto, era bem fortificada e tinha uma defesa organizada demais para ceder com facilidade aos portugueses; de fato, isso não ocorreria. A guerra foi um desastre, com os soldados sofrendo com fome e sede na retirada forçada que se seguiu. Para que todos pudessem retornar seguros em seus navios, porém, os muçulmanos exigiram uma troca de reféns, e D. Fernando se ofereceu para ficar entre os inimigos, sendo feito prisioneiro em meados de outubro.

De início, as condições da hospedagem do infante entre os inimigos eram bastante confortáveis. D. Fernando ficou na mansão do próprio governador de Tânger e foi autorizado a ter serviçais e criados particulares, incluindo um cozinheiro, enquanto o filho mais velho de seu captor ficava como garantia entre as tropas portuguesas. Além disso, todos os portugueses retidos eram autorizados a assistir a missa diariamente. A situação era vista por ambos os lados como sendo um arranjo provisório, uma vez que o rei português parecia disposto a pagar o resgate do irmão, embora não tanto a devolver a colônia de Ceuta, como exigiam os muçulmanos. Rapidamente, a situação começou a se degenerar, começando quando, após a liberação das tropas portuguesas, D. Henrique recusou-se a liberar o primogênito do governador e começou a elaborar estratégias para ter D. Fernando de volta sem ter que ceder Ceuta. D. Duarte o acompanhava nesta indecisão em ceder o território, convocando as Cortes para debater a questão em janeiro de 1438.

Duarte_I
D. Duarte

Apesar de ter sido contrário à expedição, o infante D. Pedro pressionou para que seu irmão fosse devolvido, no que foi acompanhado por D. João e o clero. A nobreza, contudo, discordava, e conseguiu dissolver a reunião sem uma decisão final quanto ao destino de D. Fernando, mesmo após leitura pública de cartas deste pedindo a devolução de Ceuta e sua libertação do cativeiro. Finalmente, em junho, após uma reunião privada entre o rei e D. Henrique, ficou decidido que nada seria pago ou devolvido aos muçulmanos; o infante capturado seria mesmo libertado por outros meios.

O repúdio do acordo feito surpreendeu – e enfureceu – os dirigentes de Tânger, que imediatamente endureceram a prisão de D. Fernando. Transferido para Fez, ele passou a habitar uma masmorra escura e, eventualmente, passou a ser contido por correntes. Sua alimentação também passou a ser irregular enquanto várias tentativas frustradas para libertá-lo eram feitas por agentes portugueses. Em agosto de 1438, D. Duarte faleceu, vítima da peste como sua mãe. O regente em nome de seu herdeiro de seis anos, o infante D. Pedro, passou então a negociar a libertação de D. Fernando, mas esbarrou numa disputa interna entre os dirigentes de Tânger pela guarda do valioso refém, cujo resgate ficava cada vez mais caro – e também passou a incluir a liberação de reféns muçulmanos. As negociações, então, tornaram-se cada vez mais difíceis entre as duas partes. Aproximadamente em meados de 1442, D. Fernando foi separado de seus companheiros e passou a ficar numa pequena cela, onde era constantemente vigiado. Apenas seu médico podia visitar o deprimido infante, que não desejava mais ouvir notícias de sua família.

Túmulo D. Fernando
Tumba do infante no mosteiro da Batalha

A partir de maio de 1443, D. Fernando passou a ficar cada vez mais doente, piorando drasticamente no começo de junho e falecendo no dia 5, depois de ter tido uma visão da Virgem Maria, São Miguel e São João. Seu corpo seria embalsamado e exposto por quatro dias nas muralhas da cidade. Um culto popular em torno da figura do infante se espalharia rapidamente em Portugal e vários milagres seriam atribuídos a ele, principalmente depois que seu caixão foi recuperado em 1472 ou 1473, na sequência da conquista de Tânger pelo seu sobrinho D. Afonso V, que invocaria a memória de D. Fernando em seus discursos perante as tropas. Contudo, apesar da fama posterior de seu suposto martírio por Portugal ser espalhada pelas Lusíadas, ele nunca foi canonizado pela Igreja Católica.

Para saber mais:

http://thefreelancehistorywriter.com/2013/04/23/ferdinand-the-saint-prince-of-portugal/

COELHO, Maria Helena da Cruz. D. João I. Lisboa: Círculo de Leitores, 2012.

DUARTE, Luís Miguel. D. Duarte. Círculo de Leitores, 2005.

 

Maria de Aragão – parte II

Contando 17 anos na época das negociações, Maria era francamente a única princesa casadoira no raio de influência portuguesa, de modo que seu casamento com D. Manuel – com apenas um filho de frágil saúde – era algo inevitável, principalmente depois que as pretensões da Casa de Habsburgo ao trono português (1) encerraram qualquer ideia de D. Manuel quanto a um possível casamento com a princesa viúva Margarida.  Apesar de tudo, ainda eram os Reis Católicos os maiores interessados na união de Manuel e Maria; afinal, a pretendente derrotada ao trono castelhano, a princesa Joana, ainda estava em idade reprodutiva. Para evitar esta terrível possibilidade, Isabel e Fernando aceleraram as negociações nupciais, com o casamento se concretizando poucos meses depois da morte do neto e herdeiro deles.

Apesar da leve hesitação do rei português quanto à união, hoje é reconhecido que este segundo matrimônio de D. Manuel foi o responsável pelo estabelecimento do mais forte e duradouro laço de afeição e, muito possivelmente, verdadeiro amor, de sua vida, como pode ser entrevisto no grande sofrimento do monarca quando D. Maria faleceu. Logo no início do casamento, o casal real se estabeleceria em Lisboa, onde a rainha rapidamente cultivaria uma reputação discreta e religiosa. Segundo o cronista Damião de Goés, Maria era “muim honesta em todas as suas praticas”, afirmação reforçada por D. Jerônimo Osório quando este afirma que ela era “muito afável e humana em seu trato, e mui comedida em todas as suas falas”.

Portrait_of_Maria_of_Aragon,_Belem_Collection
Maria após seu casamento e maternidade

Tudo isto, combinado com a forte influência de sua cunhada e antiga rainha D. Leonor, irmã de D. Manuel e esposa de seu antecessor, D. João II, contribuiu para a eventual fortificação de D. Maria como consorte ideal, desinteressada de quaisquer excessos. Neste ponto de vista, entende-se melhor a notável omissão dos cronistas régios quanto a eventuais intromissões da rainha nas esferas culturais e políticas; enquanto o primeiro é quase certo, lembrando-se a rica educação livresca fornecida à D. Maria, o segundo é mais do que esperado, considerando-se que a rainha portuguesa ainda era a maior representante da aliança com Castela e Aragão. Apesar disto, contudo, a imagem que ficaria fixada seria mesmo de sua exemplaridade feminina, de acordo com o modelo doutrinário que era tão difundido na região ibérica. Neste sentido, o rápido nascimento de ampla descendência apenas aceleraria tal processo de cristalização da imagem de D. Maria como consorte ideal e mãe dedicada à criação de seus filhos.

Quanto à maternidade, D. Maria realmente cumpriu sua função real de maneira mais do que exemplar para a época, sendo inclusive uma das consortes portuguesas mais férteis da história. Numa progressão impressionante, ela daria à luz dez crianças em pouco menos de 15 anos; mesmo que duas falecessem pouco depois do parto, oito conseguiriam sobreviver até a idade adulta, sendo seis meninos. Tratava-se de uma taxa de sobrevivência incomum, que aparentemente afastava o perigo de extinção da dinastia dos Avis. De fato, D. Manuel se veria com tantos filhos homens nas mãos que planejaria mandar a metade deles para a vida religiosa. Dos mais notáveis filhos e filhas de D. Manuel e D. Maria, se destacariam especialmente o primogênito e sucessor do pai, D. João III, a imperatriz de Carlos V, D. Isabel, o ambicioso secundogênito, D. Luís, e o cardeal e futuro rei, D. Henrique, além do caçula e futuro antepassado da dinastia de Bragança, D. Duarte.

manuelemaria
O casal real na série Isabel (2011-14)

O motivo da morte precoce de D. Maria é algo incerto. Embora a maioria das fontes e autores se calem sobre o assunto, apontando na direção de uma morte natural aos 34 anos de idade, uma das principais biografias de D. Manuel defende que o falecimento da rainha ocorreu após complicações no parto do último filho, D. Antônio, que viveria pouco. O fato que se passaram seis meses entre este nascimento e a morte de D. Maria, contudo, pode apontar não para uma complicação súbita, mas sim para um agravamento progressivo de sua condição com as repetidas gestações, o que é colaborado pela falta de surpresa da corte pelo falecimento da consorte. Apesar disso, o  próprio rei ficou bastante arrasado, encerrando-se no convento da Penha Longa em sua dor e cogitando abdicar do trono português em nome do herdeiro, pensamentos engendrados num momento político-militar difícil do império português. Eventualmente, porém, a desilusão abrandaria, principalmente depois que o idoso rei ouvisse falar mais da prometida do príncipe D. João: tratava-se da bela Leonor de Áustria.

(1) O duque Maximiliano era o único filho homem da imperatriz Leonor, filha sobrevivente mais velha do rei português D. Dinis e esposa do imperador alemão Frederico III.  Com a falha da linha sucessória masculina dos Avis, representada apenas por D. Manuel e seu frágil herdeiro, sua pretensão ao trono poderia muito bem ser considerada.

Para saber mais:

COSTA, João Paulo Oliveira e. D. Manuel I – 1469-1521 Um príncipe do renascimento. Círculo de Leitores, 2011.

FERNANDES, Maria de Lurdes Correia. “D. Maria, mulher de D. Manuel I: uma face esquecida da corte do Venturoso”. IN: Língua e Literaturas. Porto, XX, I, 2003.

Isabel de Aragão, a filha dos Reis Católicos – parte III

Em julho de 1491, a situação dinástica da Casa de Avis não poderia parecer melhor: bem fixado no trono português, D. João II não apenas possuía a alta nobreza sobre controle como também seu único filho com a rainha D. Leonor acabara de se casar com a primogênita dos Reis Católicos numa bem-engendrada ação diplomática. Além do mais, o jovem casal estava satisfeito com a companhia um do outro, com o apaixonado D. Afonso visitando constantemente Isabel em seus aposentos. As chances de concepção para um herdeiro ao trono de Portugal eram, portanto, elevadas. No dia fatídico, o monarca encontraria o filho exatamente nos aposentos de sua nora, onde ele estivera descansando após a caçada da véspera. O príncipe acabaria acompanhando o pai em uma cavalgada até o rio Tejo, onde desafiaria o fidalgo D. João de Meneses para uma competição. No meio do percurso, porém, o cavalo de D. Afonso tropeçou e o herdeiro caiu sob ele, permanecendo inconsciente mesmo após ter sido resgatado.

Temendo uma represália, D. João de Meneses fugiu de imediato da cena, enquanto o príncipe era levado para ser socorrido na casa de um pescador local, onde seria em breve reunido com a mãe e a esposa. Apesar de elas dizerem sobre ele “tantas lastimas, e palauras de tanta dor, e tristeza”, D. João II ordenar a vinda de médicos, procissões e missas serem prometidas e um nobre até se comprometer à ir caminhando até Jerusalém,  D. Afonso logo receberia a extrema-unção. Pouco depois, o duque de Beja chegaria para manifestar sua dor perante o rei. Agora, D. Manuel, irmão mais novo do executado duque de Viseu, era o próximo Avis legítimo na linha sucessória ao trono.

casamentoisabelmanuel
O segundo casamento de Isabel com D. Manuel I, conforme representado na série Isabel (2011-14)

Presumivelmente em estado de choque, Isabel cortaria seus longos e belos cabelos em honra ao falecido marido antes de manifestar seu desejo de retornar para junto dos pais em Castela, como era seu direito de acordo com o contrato nupcial. Logo de início, ela anunciou que não mais se casaria, passando a ter uma rotina marcantemente religiosa e corporalmente punitiva. O fato que seus pais procuraram respeitar esta vontade está registrado nas negociações nupciais posteriores com D. Manuel após a sucessão deste ao trono, em outubro de 1495; em princípio, os Reis Católicos apenas ofereciam a infanta D. Maria, terceira filha do casal, para as núpcias reais. Os embaixadores portugueses, contudo, deixaram claro que a única proposta que D. Manoel aceitaria estava na princesa viúva Isabel. Se isso decorreu da posição sucessória dela, de sua maturidade física comparada à irmã ou mesmo de uma certa admiração pessoal do novo rei iniciada quando ambos se conheceram, ainda em 1490, é algo impossível de saber-se ao certo.

Eventualmente, D. Manuel atingiria seu objetivo e conseguiria um compromisso dos monarcas no sentido de desposar Isabel, apesar dela permanecer firme em sua resolução de apenas pisar novamente em solo português depois de todos os judeus terem sido de lá expulsos, de acordo com a política religiosa de seus pais. Mesmo com toda a arrecadação que estas comunidades forneciam ao reino, D. Manuel concordaria, o que poderia servir como testemunho da ansiedade dele em casar-se com Isabel.

A roda da fortuna, entrementes, ainda girava; poucos dias após o casamento de Isabel, João, o único irmão da rainha portuguesa, recém-casado com Margarida de Áustria, faleceu. A esposa permaneceu grávida, eventualmente dando à luz uma menina que também morreu pouco depois do parto. Com essa sequência de trágicos eventos, D. Isabel acabou tornando-se novamente a herdeira do trono de Castela, como já o fora antes do nascimento do irmão. A possibilidade de união peninsular ficaria ainda mais definitiva se Isabel, que acabara de se descobrir grávida de D. Manuel após poucos meses de matrimônio, pudesse dar à luz um menino: no caso, o infante também poderia legitimamente herdar Aragão, reino ainda regido pela antiga lei sálica, que, em princípio, era hesitante em admitir possíveis herdeiras na sucessão.

migueldecastelaeportugal
D. Miguel, príncipe de Portugal, Castela e Aragão, herdeiro das Coroas ibéricas durante sua curta vida. Na série Isabel, assim como na vida real, ele permaneceu sob a guarda de seus avôs maternos, os Reis Católicos, desde a morte de sua mãe

No mesmo ano, como forma de conter as crescentes ambições do duque de Borgonha, marido da infanta Joana, ao trono castelhano, D. Isabel e D. Manuel foram convocados pelas Cortes castelhanas e aragonesas a prestar juramento como herdeiros. A gravidez avançada da rainha era vista com animação pelos nobres e por Fernando, rei de Aragão, que esperava poder legar seu reino a um herdeiro direto homem. De fato, em 23 de agosto de 1498, na cidade aragonesa de Zaragoza, nasceu um saudável menino, D. Miguel. Contudo, enfraquecida com o parto e os constantes jejuns religiosos, feitos desde o falecimento de D. Afonso, Isabel morreu pouco depois nos braços de D. Manuel I. Tinha apenas 27 anos de idade. Viúvo e só contando com um herdeiro homem, o rei de Portugal se casaria novamente anos depois com a noiva antes rejeitada, a infanta Maria, que teria o eventual sucessor ao trono, D. João III.

Para saber mais:

http://obaudahistoria.blogspot.com.br/2013/02/o-tratado-das-tercarias-de-moura.html

BRAGA, Paulo Drumond. O Príncipe D. Afonso, filho de D. João II – uma vida entre a guerra e a paz. Lisboa: Edições Colibri, 2008.

COSTA, João Paulo Oliveira e. D. Manuel I – 1469-1521 – Um príncipe do renascimento. Círculo de Leitores, 2011.