Catarina de Áustria – parte VI

A pouca idade de D. Sebastião tornava inevitável que uma regência fosse necessária por alguns anos; como mãe do jovem monarca, D. Joana seria a candidata mais evidente, mas já não se encontrava em Portugal havia muito. Viúva, o destino da princesa dependia novamente dos desejos de seu pai, o poderoso Carlos V, e a vontade dele era que Joana voltasse para Espanha para servir como regente na ausência de seu irmão Felipe, que em breve se casaria com a rainha Maria de Inglaterra. A decisão do imperador causou mal estar na corte portuguesa; pelo lado político, D. João III via frustrados seus próprios planos em casar o irmão D. Luís com a soberana inglesa e sua irmã caçula D. Maria com o príncipe Felipe, e pelo lado sentimental, os monarcas exprimiram sua preocupação em deixar praticamente órfã uma criança tão pequena. De qualquer maneira, a princesa Joana partiu em maio de 1554.

D_sebastiao
D. Sebastião enquanto criança

Os anos seguintes trariam mais perdas à rainha D. Catarina: em abril de 1555, faleceu em Tordesilhas a mãe que ela jamais vira novamente em 30 anos, a doente rainha Joana. Em novembro de 1555, morreu seu cunhado, o infante D. Luís, que tinha com Catarina uma relação algo tensa desde as negociações frustradas de matrimônio com sua sobrinha anos antes. Em fevereiro de 1558, falecia sua irmã mais velha e antecessora no posto de rainha de Portugal, Leonor. Em outubro do mesmo ano, morreu outra irmã, Maria, seguida logo no mês seguinte pelo desaparecimento de seu irmão mais amado, Carlos V, com quem Catarina procurara manter uma correspondência constante desde o primeiro encontro de ambos em 1516.

A morte mais importante do ponto de vista político e pessoal, entretanto, já ocorrera em 11 de junho de 1557; após um agravamento súbito de uma doença antiga, faleceu D. João III em Lisboa. Do ponto de vista puramente governamental, o desaparecimento não significou em princípio uma mudança imediata; afinal, a doença do rei, visível desde 1550, apenas tornara mais visível o protagonismo da rainha. A quebra dos escudos do falecido monarca em 14 de junho, contudo, tornou inevitável a tensão – quem seria o regente do jovem D. Sebastião? Pelo costume, o posto pertencia ao parente homem mais próximo do monarca, no caso o infante cardeal D. Henrique, último dos filhos de D. Manuel I que ainda vivia. Regências femininas, embora não uma novidade na história portuguesa – basta lembrar o precedente imediato de Leonor de Aragão, consorte de D. Duarte e mãe de D. Afonso V – não costumavam conseguir o apoio político necessário para serem bem sucedidas. Na reunião do conselho régio que se seguiu imediatamente à quebra dos escudos, a rainha, que já partilhava do governo há vários anos, apresentou uns apontamentos de D. João III que supostamente indicavam o desejo real que D. Catarina assumisse a regência, curadoria e tutoria de D. Sebastião. Após ser pedido para assistir a cunhada na função, D. Henrique concordou.

Em breve, contudo, a princesa Joana, ainda regente em Espanha na ausência do irmão, reivindicou seu direito de sangue de assumir a regência do filho. Era de tal modo forte sua intenção que seu pai, Carlos V, teve que escrever uma carta bastante incisiva, deixando claro que a posição pertencia à sua irmã Catarina. A intenção do imperador era conseguir dela um compromisso no sentido de garantir a sucessão do filho da infanta D. Maria no caso de morte de D. Sebastião; afinal, como ele escreveu ao filho Felipe, “o Príncipe (Carlos) é tanto seu neto como o Rei”. Apesar da concordância de Catarina, a pragmática que reconhecia este direito jamais foi publicada devido ao sentimento anti castelhano presente na corte portuguesa, juntamente com certa impopularidade da regente, inclusive entre seus súditos de nascimento mais baixo.

(c) The Bowes Museum; Supplied by The Public Catalogue Foundation
D. Catarina em sua época como regente do neto

Esta tensão no relacionamento entre Catarina e algumas grandes Casas, nomeadamente os Aveiro e os Bragança, ganhou seu principal símbolo na noite de 3 de setembro de 1554. D. Teodósio, duque de Bragança, era viúvo desde o ano anterior e manifestou o desejo de voltar a se casar com D. Beatriz de Lencastre, sobrinha de D. João, duque de Aveiro. D. Catarina vetou tal matrimônio. Além do procurar evitar uma união mais íntima entre duas Casas tão poderosas, o movimento muito provavelmente visava proteger o dote devido à sua sobrinha homônima, segunda filha do falecido infante D. Duarte, que em breve se uniria ao herdeiro do duque de Bragança. Apesar da proibição, entretanto, D. Teodósio foi em frente e casou-se com D. Beatriz. Isso causou uma imediata reação da regente, que expulsou tanto ele quanto o duque de Aveiro da corte. Sua autoridade, porém, já fora minada.

E é neste contexto que ocorreu a primeira tentativa de renúncia de D. Catarina em nome de D. Henrique, que acabou aceitando-a após tentar convencer a cunhada a continuar no cargo. Embora este evento seja interpretado por muitos historiadores como uma tentativa bem-sucedida de D. Catarina de desestabilizar politicamente o infante cardeal, não é realmente impossível que a regente tenha considerado, diante das dificuldades políticas, abandonar a corte e ir para um convento, como fizera seu irmão anos antes. Independente da intenção, contudo, a reação da corte foi massiva pela continuidade de D. Catarina no cargo. Apesar de tudo, D. Henrique não era propriamente um nome que despertava entusiasmo.

Catarina de Áustria – parte I

Filha póstuma de Joana de Castela e Felipe, duque de Borgonha, a infanta Catarina nasceu em 14 de janeiro de 1507. Esta última gestação da rainha foi, de fato, dramática: depois de uma estadia algo forçada em Inglaterra, onde o bebê foi concebido, uma fragilizada Joana foi para Castela, apenas para testemunhar a virtual guerra entre seu marido Felipe e seu pai Fernando para controlá-la e, assim, exercer a dignidade real numa Castela dominada pela peste e pela fome. Inesperadamente, em 25 de setembro de 1506, Felipe faleceu, provavelmente de febre tifoide, embora a possibilidade de envenenamento não possa ser eliminada.  Em estado de choque, sua viúva ia com frequência à sepultura beijar os pés do cadáver, o que apenas realçava ao público seu desequilíbrio psicológico, causado provavelmente ou por depressão crônica ou por esquizofrenia. Finalmente, em dezembro, Joana ordenou que se retirasse o caixão do mosteiro onde se encontrava e levou-o consigo em sua comitiva até Granada, onde pretendia enterrar seu marido junto à sua mãe, Isabel I de Castela. Estando com a gravidez muita avançada, contudo, a rainha teve que se deter na humilde casa de um clérigo em Torquemada. Lá, ela deu à luz uma menina saudável, batizada em homenagem à sua irmã mais nova, a princesa viúva de Gales.

JoanaeFelipe
Joana e Felipe em seu conflituoso matrimônio, conforme representado na série Isabel (2011-14)

Por meses, a rainha permaneceu em Torquemada com sua filha recém-nascida e outro filho, o infante D. Fernando, enquanto a peste e a fome se espalhavam cada vez mais. Os boatos diziam que ela fora convencida que seu marido ressuscitaria em breve, mas em abril ela finalmente continuou seu caminho até Granada. Em agosto, o próprio rei Fernando foi encontrar-se com sua filha, revendo-a na província de Burgos em 29 de agosto de 1507, para emoção de ambos. Passariam semanas juntos, participando inclusive das cerimônias religiosas pelo primeiro ano de morte de Felipe. Em breve, contudo, a percepção da instabilidade de sua filha, juntamente com a ameaça da vinda do imperador Maximiliano para Castela, a fim de servir como regente do primogênito de Joana, Carlos, precipitou a decisão de Fernando em transferir a corte da filha para Tordesilhas. Joana, entretanto, resistia a qualquer mudança e ainda encontrava-se em Arcos quando 1507 se tornou 1508, com o corpo de Felipe ainda insepulto. Em julho, Fernando II de Aragão, em tese regente de Castela pelos termos do testamento de sua esposa, ordenou que seu neto homônimo fosse retirado da mãe e levado até ele. A rainha resistiu inicialmente, mas acabou cedendo, para seu grande abatimento. Seria apenas em fevereiro de 1509, porém, que a rainha Joana e a pequena Catarina, acompanhadas pelo rei Fernando, se dirigiram até Tordesilhas.

fernandodearagão
Fernando II de Aragão

A multidão que os recepcionou e observou uma mulher bela, mas enfraquecida, entrar na bem murada vila régia de Tordesilhas, residência de monarcas de Castela banhada pelo rio Douro, dificilmente poderia prever que seria ali que a rainha passaria a esmagadora parte dos próximos 46 anos como prisioneira (1), enquanto seu pai e seu filho usurpavam seu poder ao aproveitar-se de sua fragilidade psicológica. Durante os primeiros 16 anos, sua caçula seria uma companheira constante. Apegada à filha até o ponto da obsessão após a partida de seu filho Fernando, a rainha ordenou que a menina dormisse num quarto adjacente aos seus próprios aposentos, localizados num canto isolado do palácio. Além disso, Joana exigia que todas as janelas ficassem permanentemente fechadas. Foi, então, no silêncio e no escuro que a pequena Catarina se desenvolveu.

(1) Com exceção do período entre 1533-34, quando a rainha teve que ser retirada de Tordesilhas pela ameaça crescente da peste.

Leonor de Áustria – parte III

Na época de seu casamento com Leonor, D. Manuel I considerara uma união futura do príncipe com a princesa Renata, filha de Luís XII de França, mas as negociações acabaram por falhar. Perto de sua morte, o rei voltou a tratar de um duplo enlace que era muito de seu agrado: no projeto, sua filha D. Isabel se casaria com o imperador Carlos V e seu filho D. João se uniria à irmã do imperador, Catarina, ainda retida em Tordesilhas com sua mãe Joana. O falecimento súbito do monarca português pareceu alterar toda a situação, uma vez que agora parecia que o novo rei se casaria com sua madrasta, por quem, segundo uma fonte inglesa, se encontrava loucamente apaixonado.

Um pedido de dispensa papal inclusive estaria sendo procurado após o imperador Carlos V concordar com o casamento dos dois e, segundo um boato, D. Leonor já estaria grávida. Apesar de tudo isso, contudo, a rainha viúva retornou para junto do irmão em meados de junho de 1523, deixando para trás a única filha, D. Maria. Os motivos parecem condenados a permanecer envolvidos em mistério. As supostas núpcias seriam só um mexerico gerado por uma corte ansiosa, ou então um dos noivos desistiu do enlace, talvez por motivos religiosos? Não é possível saber ao certo. De qualquer maneira, D. João III acabaria por se casar com Catarina de Áustria, a irmã mais nova de Carlos V por tanto tempo presa com sua mãe instável, em 1525, e cuidaria da irmã caçula D. Maria com carinho paternal até sua morte.

catarinadeáustriacarlosreyemperador
Catarina de Áustria, irmã mais nova de Leonor e esposa de D. João III, conforme interpretada por Guiomar Puerta na série Carlos, Rey Emperador

Pouco depois de sua volta à Espanha, Leonor ficou comprometida com o duque de Bourbon como parte de um arranjo de seu irmão para lutar contra o rei de França. Em 1525, contudo, tudo seria alterado com a esmagadora vitória imperial em Pavia. Feito prisioneiro, Francisco I teve que fazer amplas concessões no Tratado de Madri, assinado em 1526, onde ele cedeu muitos territórios e pretensões, além de concordar em enviar dois de seus filhos para ficarem como reféns na Espanha, a fim de garantir o cumprimento dos termos. Além disso, Carlos V propôs que o monarca viúvo voltasse a se casar com sua irmã também viúva, Leonor. Sem escolha, Francisco I aceitou.

leonordeáustria
Leonor em retrato feito quando era rainha de França

Após deixar a Espanha com seus futuros enteados, Leonor encontrou o rei francês na fronteira antes de ser coroada em Saint-Denis em 31 de maio de 1531. Francisco ignorava a esposa na maior parte do tempo, preferindo a companhia de amantes, especialmente Ana de Pisseleu d’Heilly, a duquesa de Étampes. O casal real não teria filhos antes da morte de Francisco em 1547, embora Leonor tenha cuidado das filhas sobreviventes do primeiro casamento do marido com Cláudia de Valois, as princesas Madalena, futura rainha de Escócia, e Margarida, futura duquesa de Saboia.

Após esta segunda viuvez, Leonor foi viver primeiro em Brussels e depois em Espanha, onde ficou com sua irmã Maria na cidade de Jarandilla de la Vera, perto do monastério onde o irmão passou a viver após sua abdicação em 1555. Em 1558, após a morte de D. João III, sua filha D. Maria saiu de Portugal em direção à cidade de Badajoz, onde encontraria sua mãe pela primeira vez em quase trinta anos. Após algumas semanas juntas, a infanta retornaria ao reino de origem, frustrando o desejo de sua mãe para que fosse viver com ela em Espanha. Pouco depois, Leonor, rainha viúva de França e Portugal, faleceria aos 59 anos de idade, antecipando-se ao irmão Carlos e à irmã Maria por poucos meses.

Para saber mais:

http://www.examiner.com/article/historical-profile-eleanor-of-austria

http://www.mujeresenlahistoria.com/2015/09/la-hermana-fiel-leonor-de-habsburgo.html

BRAGA, Paulo Drumond. D. João III. Lisboa: Hugin Editores, 2002.

COSTA, João Paulo Oliveira e. D. Manuel I – 1469-1521 Um príncipe do renascimento. Círculo de Leitores, 2011.

Leonor de Áustria – parte II

Após a devolução da infanta, Carlos I de Espanha pode dedicar-se melhor à posse de seu novo território. Neste sentido, uma parte fundamental era garantir a segurança das fronteiras de Aragão e Castela. Isso foi temporariamente alcançado, por um lado, com noivados consecutivos com duas princesas da sempre perigosa França, Luísa e Carlota, filhas de Francisco I e Cláudia de Valois. Pelo outro lado, porém, o rei parecia ter terreno mais seguro em suas negociações com D. Manuel I de Portugal, que já era casado com sua tia, Maria de Aragão. Rapidamente, surgiriam propostas no sentido de uma união entre o herdeiro do trono, D. João, e a irmã mais velha do rei espanhol, Leonor; já nesta ocasião, talvez tenham ocorrido também insinuações não oficiais de uma possibilidade de núpcias entre D. Isabel, irmã de D. João, e o próprio Carlos. De qualquer forma, as negociações do casamento entre D. João e Leonor provavelmente estavam bem avançadas quando a rainha D. Maria faleceu em 7 de março de 1517.

Manuel_I
D. Manuel I

Manuel I, que fora casado com ela por mais de quinze anos e produzira com a rainha oito crianças sobreviventes, ficou arrasado, possivelmente até com um início de depressão, fechando-se por duas semanas num convento próximo à cidade de Sintra e, depois, mais uma semana em Xabregas, onde a consorte estava sepultada. Após este luto profundo, retomou lentamente o governo, mas considerando abdicar em breve em nome do herdeiro D. João. De fato, durante certo tempo, pareceu que este seria o rumo que as coisas seguiriam, mas então, de súbito, D. Manuel I recuperou as energias e a vontade de reger Portugal. Além disso, em outubro de 1517, enviou secretamente à Castela o embaixador Álvaro da Costa para negociar seu terceiro matrimônio com ninguém mais, ninguém menos do que a própria noiva de seu herdeiro, Leonor. O que teria acontecido? Teria o rei português sido tomado pela luxúria ao ouvir falar da beleza da arquiduquesa?

Para o autor de uma recente biografia de D. João III, o cerne do conflito que rapidamente estalou entre D. Manuel I e o príncipe não estava exatamente aí, mas sim em maquinações de D. João e alguns conselheiros próximos, que chegaram até os ouvidos do rei. Conflitos entre monarcas e seus herdeiros eram comuns na história portuguesa, como podem mostrar as trajetórias de D. Dinis, D. Afonso IV e D. Pedro I. Talvez D. Manuel I tenha querido cortar o mal pela raiz ao mandar afastar da corte uma das principais companhias do filho, Luís da Silveira, além de atrasar ainda mais a formação da casa própria de D. João, como já seria o costume para a sua idade, principalmente se – e aí pode encontrar-se a chave para compreender ainda melhor as atitudes de D. Manuel I – o herdeiro contraísse matrimônio. Mantendo-o solteiro, o rei teria impedido a consolidação de uma possível rede de intrigas. Além disso, casando-se ele mesmo com Leonor, D. Manuel I garantia o apoio de Carlos I contra qualquer possível rebelião do príncipe.

joãoIIIcarlosreyemperador
O futuro D. João III conforme interpretado por Tamar Novas na série Carlos, Rey Emperador

Previsivelmente, D. João jamais ficou satisfeito com a situação e, no início, aparentemente nem Leonor. Segundo uma narrativa de época, ela teria que ter sido convencida da troca de noivos por suas damas, que lhe disseram o pior possível do príncipe D. João. Quando ambos se viram pela primeira vez em novembro de 1518, Leonor percebeu visivelmente o engodo, e dirigindo-se para suas damas com ironia e alguma mágoa, perguntou: “Este es el bovo?” (1). Independente das mentiras que lhe haviam sido contadas para que se casasse com um homem quase trinta anos mais velho, entretanto, parece que as núpcias de D. Manuel I com Leonor de Áustria foram satisfatórias para ambas as partes.

Fazendo jus à fertilidade de sua mãe Joana, a nova rainha portuguesa engravidou rapidamente e, em 18 de fevereiro de 1520, deu à luz ao infante D. Carlos. Tristemente, em 15 de abril do ano seguinte o bebê faleceria, mas logo em 8 de junho nasceria a infanta D. Maria. Provavelmente esta sequência de crianças continuaria caso D. Manuel I não tivesse adoecido, mostrando os primeiros sinais de uma febre em 5 de dezembro e piorando rapidamente. Era a peste, que assolava Lisboa naquele momento. O príncipe e os grandes de Portugal rapidamente foram chamados para testemunhar os últimos momentos do rei, que ditou seu testamento em 11 de dezembro, onde pedia para seu herdeiro proteger a madrasta. No mesmo dia, ela, juntamente com seus enteados, seria afastada da câmara onde o rei agonizava. A morte, contudo, só chegaria no dia 13, com a quebra de escudos ocorrendo no dia 17. Devido a abundante chuva que caía em Lisboa, entretanto, a aclamação de D. João III só foi feita no dia 19. Em breve, surgiriam conversas a respeito do casamento do novo rei.

(1) “É este o bobo?”

 

Leonor de Áustria – parte I

Nascida em 15 de novembro de 1498, a arquiduquesa Leonor era a primogênita da infanta Joana de Castela e de Felipe, duque de Borgonha e herdeiro de Áustria por via de seu pai, o Sacro Imperador Romano Maximiliano I. O matrimônio deles, ocorrido em outubro de 1496, fazia parte de uma aliança maior entre os Trastâmara e os Habsburgo contra o poder francês no continente; para cimentar ainda melhor o acordo entre as Casas, o irmão de Joana, o príncipe João, também se casaria com a irmã de Felipe, Margarida. Apesar de ambas as uniões serem inicialmente bem-sucedidas do ponto de vista amoroso, as núpcias planejadas por Fernando II de Aragão para fortalecer sua dinastia acabaram, ironicamente, por entregar a Espanha aos Habsburgo. Pouco menos de um ano após o casamento de sua irmã Joana com o duque de Borgonha, o príncipe João faleceu, provavelmente de tuberculose, e sua filha com Margarida de Áustria seria natimorta pouco tempo depois. A herança espanhola passaria, então, para a filha mais velha dos Reis Católicos, Isabel, recém-casada com o rei português D. Manuel I. Em agosto seguinte, entretanto, ela também faleceria após o parto de D. Miguel, que foi o herdeiro de Aragão, Castela e Portugal até sua morte precoce em julho de 1500.

joanadecastela
Rainha Joana de Castela (circa 1500)

Pouco tempo depois da pequena Leonor ganhar um irmão, portanto, Joana de Castela tornou-se a herdeira improvável dos reinos de seus pais. Seu ambicioso marido rapidamente procurou aumentar seu próprio poder com a nova posição dela, principalmente depois que a morte de Isabel I em 1504 tornou Joana a nova rainha reinante de Castela. Felipe usaria a depressão da consorte, causada em grande parte pela constante infidelidade dele, para espalhar boatos sobre a suposta loucura dela e, assim, procurar fortalecer sua autoridade. Estas manobras políticas não o impediam em absoluto de procurar carnalmente a esposa, contudo, e quando ele morreu subitamente em setembro de 1506, Joana estava grávida pela sexta vez.

Enquanto sua mãe era controlada politicamente e, finalmente, aprisionada em Tordesilhas por seu próprio pai, que procurava manter o poder construído em décadas de reinado conjunto com Isabel I, Leonor crescia junto à maioria de seus irmãos e irmãs em Borgonha, aos cuidados de sua tia Margarida. Durante esta extrema juventude, seu casamento já era uma moeda de troca, com negociações neste sentido ocorrendo com Henrique VII de Inglaterra em nome de seu filho e herdeiro homônimo. Ambos chegariam a ficar noivos, mesmo que o príncipe tivesse sido prometido anteriormente à tia de Leonor, a infanta Catarina. Quando o rei inglês faleceu em 1509, contudo, a arquiduquesa tinha apenas dez anos de idade, e Henrique VIII preferiu casar-se com Catarina, que já era bem mais madura fisicamente e, logo, capaz de gerar filhos. Alguns anos mais tarde, quando o rei francês Luís XII enviuvou, também ocorreriam negociações nupciais envolvendo Leonor, mesmo que este monarca fosse quase quarenta anos mais velho do que a putativa noiva. Novamente, contudo, a juventude da arquiduquesa pareceu ter entrado no caminho para a concretização deste arranjo. Luís XII preferiu se casar com Maria Tudor, a irmã de 18 anos do rei Henrique VIII, em outubro de 1514. Outras negociações frustradas também ocorreriam com o rei de Polônia, Sigismundo, antes que Leonor supostamente tivesse um caso amoroso com Frederico II, Eleitor Palatino.

leonordeáustriaepisódio11
Leonor na série ‘Carlos, Rey Emperador’, conforme interpretada por Marina Salas

O matrimônio dos dois, contudo, não interessava ao seu irmão Carlos, duque de Borgonha e rei de Espanha desde a morte de seu avô Fernando em 1516, que teria inclusive feito o casal jurar que não se unira secretamente antes de expulsar Frederico de sua corte. De qualquer forma, os irmãos seguiriam pouco depois para a Espanha, onde encontrariam sua mãe Joana pela primeira vez em vários anos. Lá, a doente rainha, já perturbada mentalmente após uma década de confinamento forçado, deu sua permissão solene para que o filho reinasse em seu lugar em Castela e Aragão. Mesmo assim, Joana não poderia deixar a sua prisão, ficando confinada em Tordesilhas até sua morte, apesar de Leonor ter procurado deixar seus aposentos confortáveis antes de partir novamente com Carlos. Eles seriam acompanhados mais tarde por sua irmã caçula Catarina, que deixara seus aposentos secretamente. Aquela seria a primeira tentativa de incorporar a jovem à vida social da corte, frustrada quando Joana, ao notar a ausência da filha de sua prisão pela primeira vez desde o nascimento da menina, declarou que não mais se alimentaria até que ela lhe fosse devolvida.

Maria de Aragão – parte II

Contando 17 anos na época das negociações, Maria era francamente a única princesa casadoira no raio de influência portuguesa, de modo que seu casamento com D. Manuel – com apenas um filho de frágil saúde – era algo inevitável, principalmente depois que as pretensões da Casa de Habsburgo ao trono português (1) encerraram qualquer ideia de D. Manuel quanto a um possível casamento com a princesa viúva Margarida.  Apesar de tudo, ainda eram os Reis Católicos os maiores interessados na união de Manuel e Maria; afinal, a pretendente derrotada ao trono castelhano, a princesa Joana, ainda estava em idade reprodutiva. Para evitar esta terrível possibilidade, Isabel e Fernando aceleraram as negociações nupciais, com o casamento se concretizando poucos meses depois da morte do neto e herdeiro deles.

Apesar da leve hesitação do rei português quanto à união, hoje é reconhecido que este segundo matrimônio de D. Manuel foi o responsável pelo estabelecimento do mais forte e duradouro laço de afeição e, muito possivelmente, verdadeiro amor, de sua vida, como pode ser entrevisto no grande sofrimento do monarca quando D. Maria faleceu. Logo no início do casamento, o casal real se estabeleceria em Lisboa, onde a rainha rapidamente cultivaria uma reputação discreta e religiosa. Segundo o cronista Damião de Goés, Maria era “muim honesta em todas as suas praticas”, afirmação reforçada por D. Jerônimo Osório quando este afirma que ela era “muito afável e humana em seu trato, e mui comedida em todas as suas falas”.

Portrait_of_Maria_of_Aragon,_Belem_Collection
Maria após seu casamento e maternidade

Tudo isto, combinado com a forte influência de sua cunhada e antiga rainha D. Leonor, irmã de D. Manuel e esposa de seu antecessor, D. João II, contribuiu para a eventual fortificação de D. Maria como consorte ideal, desinteressada de quaisquer excessos. Neste ponto de vista, entende-se melhor a notável omissão dos cronistas régios quanto a eventuais intromissões da rainha nas esferas culturais e políticas; enquanto o primeiro é quase certo, lembrando-se a rica educação livresca fornecida à D. Maria, o segundo é mais do que esperado, considerando-se que a rainha portuguesa ainda era a maior representante da aliança com Castela e Aragão. Apesar disto, contudo, a imagem que ficaria fixada seria mesmo de sua exemplaridade feminina, de acordo com o modelo doutrinário que era tão difundido na região ibérica. Neste sentido, o rápido nascimento de ampla descendência apenas aceleraria tal processo de cristalização da imagem de D. Maria como consorte ideal e mãe dedicada à criação de seus filhos.

Quanto à maternidade, D. Maria realmente cumpriu sua função real de maneira mais do que exemplar para a época, sendo inclusive uma das consortes portuguesas mais férteis da história. Numa progressão impressionante, ela daria à luz dez crianças em pouco menos de 15 anos; mesmo que duas falecessem pouco depois do parto, oito conseguiriam sobreviver até a idade adulta, sendo seis meninos. Tratava-se de uma taxa de sobrevivência incomum, que aparentemente afastava o perigo de extinção da dinastia dos Avis. De fato, D. Manuel se veria com tantos filhos homens nas mãos que planejaria mandar a metade deles para a vida religiosa. Dos mais notáveis filhos e filhas de D. Manuel e D. Maria, se destacariam especialmente o primogênito e sucessor do pai, D. João III, a imperatriz de Carlos V, D. Isabel, o ambicioso secundogênito, D. Luís, e o cardeal e futuro rei, D. Henrique, além do caçula e futuro antepassado da dinastia de Bragança, D. Duarte.

manuelemaria
O casal real na série Isabel (2011-14)

O motivo da morte precoce de D. Maria é algo incerto. Embora a maioria das fontes e autores se calem sobre o assunto, apontando na direção de uma morte natural aos 34 anos de idade, uma das principais biografias de D. Manuel defende que o falecimento da rainha ocorreu após complicações no parto do último filho, D. Antônio, que viveria pouco. O fato que se passaram seis meses entre este nascimento e a morte de D. Maria, contudo, pode apontar não para uma complicação súbita, mas sim para um agravamento progressivo de sua condição com as repetidas gestações, o que é colaborado pela falta de surpresa da corte pelo falecimento da consorte. Apesar disso, o  próprio rei ficou bastante arrasado, encerrando-se no convento da Penha Longa em sua dor e cogitando abdicar do trono português em nome do herdeiro, pensamentos engendrados num momento político-militar difícil do império português. Eventualmente, porém, a desilusão abrandaria, principalmente depois que o idoso rei ouvisse falar mais da prometida do príncipe D. João: tratava-se da bela Leonor de Áustria.

(1) O duque Maximiliano era o único filho homem da imperatriz Leonor, filha sobrevivente mais velha do rei português D. Dinis e esposa do imperador alemão Frederico III.  Com a falha da linha sucessória masculina dos Avis, representada apenas por D. Manuel e seu frágil herdeiro, sua pretensão ao trono poderia muito bem ser considerada.

Para saber mais:

COSTA, João Paulo Oliveira e. D. Manuel I – 1469-1521 Um príncipe do renascimento. Círculo de Leitores, 2011.

FERNANDES, Maria de Lurdes Correia. “D. Maria, mulher de D. Manuel I: uma face esquecida da corte do Venturoso”. IN: Língua e Literaturas. Porto, XX, I, 2003.

Maria de Aragão – parte I

Terceira filha (quarta criança) nascida do matrimônio entre Isabel I de Castela e Fernando II de Aragão, a infanta Maria veio ao mundo em 29 de junho de 1482. Este parto da rainha, contudo, provou-se bastante problemático num tempo onde ainda não eram habituais medidas hoje comuns de higienação na vida cotidiana, quanto mais numa situação delicada como um nascimento gemelar. Como consequência, o irmão ou irmã de Maria faleceu pouco após o parto, e a mãe das crianças ficou com a saúde abalada, inclusive chegando, segundo a série Isabel, a receber a extrema unção. Ultimamente, ela sobreviveria, mas quatro anos separariam Maria daquela que seria sua última irmã, a infanta Catarina.

Isabel_la_Católica-2
Isabel I de Castela

Interessantemente, os primeiros planos de matrimônio de Maria envolveriam também sua irmã mais nova. Enquanto ambas recebiam, assim como suas duas irmãs mais velhas, as infantas Isabel e Joana, a excelente educação doméstica e intelectual fornecida por seus tutores, escolhidos a dedo pela rainha, Isabel e Fernando já faziam planos para utilizar Maria e Catarina para influenciar as políticas de dois reinos do Norte; enquanto a caçula seguiria com seu planejado casamento com o herdeiro da Inglaterra, o príncipe Artur, a intenção dos Reis Católicos era unir Maria ao rei dos escoceses, James, ainda solteiro mesmo após anos de compromisso com a princesa inglesa Cecily. Mesmo que James fosse pouco menos de dez anos mais velho do que Maria, o planejamento dos monarcas provavelmente ainda tinha um ar bastante agradável para as irmãs, que poderiam estar perto uma da outra enquanto mantinham a paz entre os turbulentos vizinhos, e quem sabe até mesmo visitar uma a outra com frequência.

Infelizmente, este plano matrimonial um tanto humano para o século XVI acabou não se cumprindo. Enquanto as outras irmãs se casavam sucessivamente com o herdeiro de Portugal e o duque de Borgonha, Maria era mantida sem compromissos nupciais sérios enquanto a viagem de Catarina para a Inglaterra era planejada. As desventuras da primogênita Isabel, contudo, mudariam com rapidez o destino de Maria. Após alguns meses de feliz casamento com D. Afonso, a jovem ficaria viúva após um trágico acidente de cavalo envolvendo o marido, e retornaria para Castela, jurando que não mais se casaria. Poucos anos depois, o novo rei de Portugal, D. Manuel, enviou embaixadores ao vizinho para negociar um casamento que fortalecesse a linha sucessória portuguesa. Apesar de sua aparente frágil posição nas negociações, a possibilidade de uma nova ligação com as riquezas coloniais portuguesas mantiveram os Reis Católicos em suspense quando D. Manuel insistiu em casar-se não com a noiva oferecida por estes, a infanta Maria, mas sim com a princesa viúva de Portugal.

Maria_de_aragon
Uma jovem infanta Maria

De início, os monarcas hesitaram, ainda procurando respeitar os desejos da filha de levar uma vida casta e religiosa, mas o rei português manteve-se firme em sua decisão. Se tal insistência decorreu da posição sucessória de Isabel em Castela e Aragão, de sua maturidade física comparada à irmã mais nova ou mesmo de certa admiração pessoal do novo monarca iniciada quando ambos se conheceram em Portugal, ainda em 1490, é algo impossível de saber-se com certeza, mas o fato é que os Reis Católicos acabaram cedendo. A princesa viúva também aceitou a proposta após um compromisso de D. Manuel no sentido de prosseguir a política espanhola de expulsão de todos os judeus, e em 1497 ambos se uniriam, poucos dias antes da morte do único irmão de Isabel, o príncipe João.  A morte da filha póstuma deste no parto poucos meses depois significou que a grávida Isabel era agora a herdeira novamente, e D. Manuel o futuro rei de Aragão, Castela e Portugal.

Novamente, entretanto, o aparente não se cumpriria: a própria Isabel faleceria no parto em agosto de 1498, na cidade aragonesa de Zaragoza, onde ela e o marido haviam sido convocados para serem jurados como os herdeiros de Aragão. Agora, o máximo que D. Manuel poderia ambicionar em relação ao vizinho era uma possível regência em nome do filho D. Miguel, também frustrada quando da morte prematura deste em 1500. Antes mesmo disto, porém, os Reis Católicos já negociavam uma nova forma de manter firmes os laços com o rico Portugal. A nova herdeira de Espanha era a instável infanta Joana, casada com o ambicioso duque de Borgonha, de modo que a única filha disponível era a já madura Maria.

Isabel de Aragão, a filha dos Reis Católicos – parte III

Em julho de 1491, a situação dinástica da Casa de Avis não poderia parecer melhor: bem fixado no trono português, D. João II não apenas possuía a alta nobreza sobre controle como também seu único filho com a rainha D. Leonor acabara de se casar com a primogênita dos Reis Católicos numa bem-engendrada ação diplomática. Além do mais, o jovem casal estava satisfeito com a companhia um do outro, com o apaixonado D. Afonso visitando constantemente Isabel em seus aposentos. As chances de concepção para um herdeiro ao trono de Portugal eram, portanto, elevadas. No dia fatídico, o monarca encontraria o filho exatamente nos aposentos de sua nora, onde ele estivera descansando após a caçada da véspera. O príncipe acabaria acompanhando o pai em uma cavalgada até o rio Tejo, onde desafiaria o fidalgo D. João de Meneses para uma competição. No meio do percurso, porém, o cavalo de D. Afonso tropeçou e o herdeiro caiu sob ele, permanecendo inconsciente mesmo após ter sido resgatado.

Temendo uma represália, D. João de Meneses fugiu de imediato da cena, enquanto o príncipe era levado para ser socorrido na casa de um pescador local, onde seria em breve reunido com a mãe e a esposa. Apesar de elas dizerem sobre ele “tantas lastimas, e palauras de tanta dor, e tristeza”, D. João II ordenar a vinda de médicos, procissões e missas serem prometidas e um nobre até se comprometer à ir caminhando até Jerusalém,  D. Afonso logo receberia a extrema-unção. Pouco depois, o duque de Beja chegaria para manifestar sua dor perante o rei. Agora, D. Manuel, irmão mais novo do executado duque de Viseu, era o próximo Avis legítimo na linha sucessória ao trono.

casamentoisabelmanuel
O segundo casamento de Isabel com D. Manuel I, conforme representado na série Isabel (2011-14)

Presumivelmente em estado de choque, Isabel cortaria seus longos e belos cabelos em honra ao falecido marido antes de manifestar seu desejo de retornar para junto dos pais em Castela, como era seu direito de acordo com o contrato nupcial. Logo de início, ela anunciou que não mais se casaria, passando a ter uma rotina marcantemente religiosa e corporalmente punitiva. O fato que seus pais procuraram respeitar esta vontade está registrado nas negociações nupciais posteriores com D. Manuel após a sucessão deste ao trono, em outubro de 1495; em princípio, os Reis Católicos apenas ofereciam a infanta D. Maria, terceira filha do casal, para as núpcias reais. Os embaixadores portugueses, contudo, deixaram claro que a única proposta que D. Manoel aceitaria estava na princesa viúva Isabel. Se isso decorreu da posição sucessória dela, de sua maturidade física comparada à irmã ou mesmo de uma certa admiração pessoal do novo rei iniciada quando ambos se conheceram, ainda em 1490, é algo impossível de saber-se ao certo.

Eventualmente, D. Manuel atingiria seu objetivo e conseguiria um compromisso dos monarcas no sentido de desposar Isabel, apesar dela permanecer firme em sua resolução de apenas pisar novamente em solo português depois de todos os judeus terem sido de lá expulsos, de acordo com a política religiosa de seus pais. Mesmo com toda a arrecadação que estas comunidades forneciam ao reino, D. Manuel concordaria, o que poderia servir como testemunho da ansiedade dele em casar-se com Isabel.

A roda da fortuna, entrementes, ainda girava; poucos dias após o casamento de Isabel, João, o único irmão da rainha portuguesa, recém-casado com Margarida de Áustria, faleceu. A esposa permaneceu grávida, eventualmente dando à luz uma menina que também morreu pouco depois do parto. Com essa sequência de trágicos eventos, D. Isabel acabou tornando-se novamente a herdeira do trono de Castela, como já o fora antes do nascimento do irmão. A possibilidade de união peninsular ficaria ainda mais definitiva se Isabel, que acabara de se descobrir grávida de D. Manuel após poucos meses de matrimônio, pudesse dar à luz um menino: no caso, o infante também poderia legitimamente herdar Aragão, reino ainda regido pela antiga lei sálica, que, em princípio, era hesitante em admitir possíveis herdeiras na sucessão.

migueldecastelaeportugal
D. Miguel, príncipe de Portugal, Castela e Aragão, herdeiro das Coroas ibéricas durante sua curta vida. Na série Isabel, assim como na vida real, ele permaneceu sob a guarda de seus avôs maternos, os Reis Católicos, desde a morte de sua mãe

No mesmo ano, como forma de conter as crescentes ambições do duque de Borgonha, marido da infanta Joana, ao trono castelhano, D. Isabel e D. Manuel foram convocados pelas Cortes castelhanas e aragonesas a prestar juramento como herdeiros. A gravidez avançada da rainha era vista com animação pelos nobres e por Fernando, rei de Aragão, que esperava poder legar seu reino a um herdeiro direto homem. De fato, em 23 de agosto de 1498, na cidade aragonesa de Zaragoza, nasceu um saudável menino, D. Miguel. Contudo, enfraquecida com o parto e os constantes jejuns religiosos, feitos desde o falecimento de D. Afonso, Isabel morreu pouco depois nos braços de D. Manuel I. Tinha apenas 27 anos de idade. Viúvo e só contando com um herdeiro homem, o rei de Portugal se casaria novamente anos depois com a noiva antes rejeitada, a infanta Maria, que teria o eventual sucessor ao trono, D. João III.

Para saber mais:

http://obaudahistoria.blogspot.com.br/2013/02/o-tratado-das-tercarias-de-moura.html

BRAGA, Paulo Drumond. O Príncipe D. Afonso, filho de D. João II – uma vida entre a guerra e a paz. Lisboa: Edições Colibri, 2008.

COSTA, João Paulo Oliveira e. D. Manuel I – 1469-1521 – Um príncipe do renascimento. Círculo de Leitores, 2011.

Isabel de Aragão, a filha dos Reis Católicos – parte II

Isabel ficaria em Moura por três anos. A partir da morte de D. Afonso V, o novo rei D. João II começou as negociações para desfazer as penosas terçarias, que impediam inclusive que os reis visitassem os herdeiros postos em virtual reclusão. Os Reis Católicos, contudo, não estavam politicamente interessados neste fim, uma vez que uma possível libertação da Beltraneja poderia colocar em xeque o recém-instaurado equilíbrio peninsular; neste sentido, as propostas de casamento que Joana continuava a receber, mesmo num convento, apenas contribuíam para deixar a situação mais tensa. A possibilidade da troca de noiva do príncipe D. Afonso – de Isabel para a segunda filha dos monarcas, também chamada Joana – agiria assim como um peso político compensatório, embora provavelmente a situação hostil que ia se abrindo em Portugal com as disputas entre a Casa real e os Bragança também tenha contribuído para tal tentativa.

John_II_of_Portugal (1)
D. João II de Portugal

Em maio de 1483, a primogênita dos Reis Católicos foi finalmente devolvida aos embaixadores castelhanos, saindo de Portugal pouco depois. Fora decidido por fim que, se a infanta Isabel ainda se encontrasse solteira quando o herdeiro português completasse 14 anos, as núpcias originalmente combinadas entre ambos ocorreriam, ficando anuladas as negociações em relação à infanta Joana; como Isabel era quase cinco anos mais velha que D. Afonso, tal situação não parecia provável. Apesar disso, embora seus pais tivessem examinado muitas propostas nupciais para ela durante suas campanhas contra os muçulmanos do sul – Carlos VIII de França, Maximiliano de Áustria, Henrique VII de Inglaterra, entre outros – nenhuma das uniões acabou confirmada e, em 1488, D. João II pediu a mão de Isabel em nome do príncipe. Sobrecarregados pela guerra com Granada, os Reis Católicos não tiveram escolha a não ser conceder o pedido.

Em novembro de 1489, a nobreza portuguesa instalou-se na cidade de Évora como parte dos preparativos para o matrimônio, planejado para ocorrer já no ano seguinte. Depois de uma promessa secreta de D. João II no sentido que não permitiria que a Beltraneja deixasse o  convento onde se localizava, os Reis Católicos nomearam os procuradores para o casamento por procuração, ocorrido em 18 de abril. Seria apenas no novembro seguinte, entretanto, que Isabel reentrou em Portugal para a cerimônia presencial. Na fronteira, ela foi recebida pelos bispos de Évora e de Coimbra, os condes de Monsanto e Cantanhede e o primo de seu jovem marido, o duque de Beja.

isabeldearagão
A infanta interpretada pela atriz  María Cantuel na série Isabel (2011-14)

No fim do mês, deu-se a entrada solene da nova princesa de Portugal em Évora, onde foi recebida com grandiosas festas que se prolongariam por semanas – de fato, os empréstimos do evento ainda estavam sendo pagos durante o início do reinado seguinte. Apesar de ser cinco anos mais jovem que a esposa, D. Afonso apressou-se a consumar as núpcias, procedimento que escandalizou alguns na religiosa corte dos Avis. A paixão do herdeiro continuava inalterada meses depois, em julho, quando o casal deslocou-se, juntamente com D. João II e D. Leonor, até Almeirim, onde acabaria por se desenrolar a maior tragédia de Isabel.

Isabel de Aragão, a filha dos Reis Católicos – parte I

Nascida em 02 de outubro de 1470, Isabel de Aragão era a filha primogênita da infanta Isabel, meia-irmã do rei Henrique IV de Castela, e do príncipe Fernando, herdeiro do reino vizinho como filho de João II de Aragão. O próprio casamento de seus pais já ocorrera cercado de polêmica: sua mãe, líder de uma facção contrária aos direitos sucessórios da pretensa princesa Joana, tivera que fugir secretamente da corte para se encontrar com o prometido, que viajara disfarçado como servo até Valladolid, e assim evitar que Henrique IV a forçasse a algum compromisso matrimonial. Sendo primos de segundo grau, ambos necessitariam de uma dispensa papal para se unirem legalmente, mas a suposta bula que foi apresentada era assinada pelo papa Pio II, falecido cinco anos antes do casamento deles, muito embora o papa da época fosse Sisto VI.

Isabel_la_Católica-2
Isabel I de Castela

Embora a consumação física imediata do contrato nupcial entre seus pais anulasse maiores perigos da pequena infanta ser considerada ilegítima, o fato é que o nascimento de Isabel aprofundou as tensões entre sua mãe e seu tio, que ainda procurava restabelecer sua dita filha como herdeira do trono castelhano. Quando, em 1474, Henrique IV faleceu, a guerra civil estourou. Apoiando a sobrinha e noiva, D. Afonso V de Portugal invadiu Castela em maio de 1475 e, com Joana, proclamou-se soberano legítimo de Castela, pretensão igualmente defendida por Fernando de Aragão. A Guerra de Sucessão Castelhana, porém, permaneceria indefinida até a batalha de Toro, em 1º de maio de 1476, onde as tropas portuguesas debandaram. Provando ter uma grande visão política, Isabel aproveitou o momento para convocar as Cortes, onde sua filha e homônima foi jurada como herdeira presuntiva. A verdadeira consolidação da posição da rainha Isabel, contudo, ocorreria apenas em fins de junho de 1478, quando ela daria à luz ao príncipe João, que assumiria a partir daí a posição da irmã mais velha.

Mesmo que tenha perdido a proeminência sucessória, Isabel ainda foi uma peça importante nas negociações de paz entre Castela e Portugal. Durante a duração das chamadas Terçarias de Moura, a infanta foi criada sob os auspícios de D. Beatriz, duquesa de Viseu, servindo simbolicamente como uma garantia do bom comportamento político dos Reis Católicos, que por sua vez procuravam garantir a neutralização da Beltraneja – que, aliás, compartilharia da vigilância feita à infanta. O lado espanhol também não deixaria de estabelecer condições próprias, requisitando um dos filhos da duquesa de Viseu para ser criado em seu território. Como D. Diego, o mais velho, encontrava-se doente, seu irmão D. Manoel o substituiu como refém. O único filho do rei de Portugal, D. Afonso, também teria seu papel a desempenhar nas negociações.

fernandodearagão
Fernando II de Aragão

Como elemento de troca diplomática muito bem estabelecido no início da era moderna europeia, os arranjos nupciais também eram parte fundamental em tratados de paz entre os reinos. Além de poder aquietar as disputas dinásticas por uma simples união familiar, um casamento também poderia literalmente unificar as pretensões opostas que motivaram a beligerância. No caso da infanta Isabel, que possuía apenas um irmão criança para herdar as possessões dos pais, um matrimônio com o herdeiro do trono português, embora não necessariamente unificasse os domínios, ainda prometia muitas vantagens diplomáticas. Esta foi uma das razões pela qual a união foi perseguida desde o início da negociação do Tratado de Alcáçovas em 1479, muito embora os Reis Católicos fizessem esforços posteriores para trocar a primogênita pela segunda filha, a infanta Joana, nascida em 1479; de fato, a própria entrega da infanta Isabel teve algumas dificuldades impostas. Eventualmente, contudo, a menina seria entregue, unindo-se ao príncipe D. Afonso na vigilância da duquesa de Viseu. Ela já tinha quase 10 anos; ele apenas completara 5.