Maria Francisca de Saboia – parte II

Talvez possamos explicar melhor a mudança de comportamento de Maria Francisca em relação a D. Afonso VI se forem considerados os atritos da rainha com Luís de Vasconcelos e Sousa, o conde de Castelo Melhor e o nobre mais influente perante o monarca, a ponto de existir uma facção que tramava sua queda do poder – liderada, aliás, pelo irmão de D. Afonso VI, o infante D. Pedro, duque de Beja. Em primeiro lugar, Maria Francisca viu suas esperanças de participar do Conselho de Estado frustradas pelo favorito, que não desejava que ela intervisse na governo.

Pouco depois, a consorte acabou por  se unir à conspiração francesa que desejava derrubar o conde para impedir que a paz com Espanha fosse efetuada, enfraquecendo esta e, assim, beneficiando os interesses de Luís XIV nos conflituosos Países Baixos. Paralelamente, é bastante possível que Maria Francisca fosse se cansando cada vez mais rápido de D. Afonso VI, seu comportamento bizarro e suas amantes; este parece ser um motivo racional para explicar como acabou se dando tão rapidamente a fusão do plano que queria tirar o conde de Castelo Melhor do poder e outro, mais novo em sua elaboração, que consistia em depor o obtuso rei.

afonso_vi_de_portugal
D. Afonso VI de Portugal

Contudo, podemos também considerar a importância crescente da atração que provavelmente se desenvolveu desde então entre D. Pedro, duque de Beja e irmão do rei, e a rainha Maria Francisca. Claro que temos em mente a lógica utilizada por Isabel Mendes Drumond Braga e pensamos que certamente houve um componente de interesse de ambos os lados no que em breve se constituiu em uma aliança marital – casando-se com o futuro regente ou possivelmente rei de Portugal, se a frágil saúde de D. Afonso VI falhasse, ela garantia sua posição e protegia-se contra o possível exílio junto ao monarca deposto, além de poder a vir ser uma regente incontestável para seu filho, como o fora sua sogra Luísa de Gusmão; pelo lado dele, tal matrimônio preservaria a importante aliança francesa.

Vemos aqui, então, que apesar de precisar de uma noiva nascida em França, o duque de Beja não necessariamente precisava contrair o que poderia ser visto como um escandaloso matrimônio com a antiga esposa de seu irmão mais velho. Desta forma, apenas podemos acreditar que uma forte paixão, mesmo que pouco duradoura em sua intensidade, atingiu aos dois em algum ponto de 1667. Paixão não consumada, arriscamos dizer; além do demasiado risco em pôr tudo a perder se um adultério da rainha fosse descoberto, não era o momento de arriscar que Maria Francisca concebesse uma criança de legitimidade duvidosa para suceder ao trono português. De fato, em outubro o embaixador inglês daria como certa a virgindade da rainha.

Pouco depois, em novembro, a acusação de tentativa de envenenamento feita ao conde de Castelo Melhor por parte de D. Pedro foi bem sucedida em afastá-lo do centro do cenário político, deixando D. Afonso VI vulnerável frente aos conspiradores. Finalmente, no dia 22, o infante e seus partidários se apresentaram frente ao rei e solicitaram que este lhes entregasse o governo. Como o monarca resistiu, foi preso. Após convocar as Cortes, reunidas em janeiro seguinte, D. Pedro foi jurado regente de um irmão ao qual ainda jurava lealdade. Ainda antes, porém, Maria Francisca refugiou-se no Convento de Nossa Senhora da Esperança e pediu a anulação de seu casamento com D. Afonso VI com base na não consumação da união. O julgamento a respeito, ocorrido com rapidez pouco habitual, foi meticulosamente registrado em um dos documentos mais extraordinários do período: o Causa de nulidade de matrimónio entre a rainha D. Maria Francisca Isabel de Saboya e o Rei D. Afonso VI, manuscrito hoje localizado na Torre do Tombo.

Capa da “Causa da nulidade do casamento de D. Afonso VI e Maria Francisca de Sabóia”.1667 1668
Capa do registro do processo de anulação do matrimônio de Maria Francisca e D. Afonso VI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s